sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Champagne com café, para a festa da virada

Romoaldo de Souza 

Bruno Okamoto, barista premiado de Brasília, pediu uma dica de um drink para ele usar na festa da virada. Mudança de ano é sempre uma boa oportunidade para você deixar de lado hábitos que só esperavam um empurrãozinho. Então está na hora de abrir o champagne e comemorar o Ano Novo.

O drink recomenda qualidade no café, na vodca e no champagne.
Não use qualquer espumante, não!



Ingredientes 

- 1/2 litro de café coado;
- 1/2 litro de vodca;
- 1 taça grande de champagne
- Limão siciliano

Modo de preparar, escute, novamente, o podcast e tenha um ano maravilhoso!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

A qualidade da torra do café

Romoaldo de Souza

Na hora de escolher o seu café, algumas informações são importantes. Uma delas, é a claridade da torra. Agora, uma dica é certa: sendo para coar em casa, prefira o café torra clara





Um abraço, bom café!

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Uma xícara para o seu café

Romoaldo de Souza

Uma história real, que parece ser um conto de quem não quer dar a menor atenção ao cliente. Nossa leitora Andrea Borba saiu de casa, pegou o carro, andou pela ruas engarrafadas de Recife, até chegar a uma cafeteria, que ela não quis nominar. Esbaforida, tomou uma garrafa de água, sem gás, e pediu um espresso. 

Pronto. Terminou ali, o dia da advogada. Numa xícara de 50ml pareceu que o barista tinha colocado 60ml. Literalmente saía café por todas as partes. Alem do quê, a xícara tinha indícios de ter se alistado, na juventude, no Tiro de Guerra, de tão baqueada que estava. 

Sobrou café e o barista serviu no pires também,
dando um banho na xícara

Nossa ouvinte não sabia se pedia outro café, se ia embora se chamava o João da Costa, o prefeito de Recife, para tomar as providências.

Se não servir um café assim a gente devolve

Escute a peregrinação da nossa ouvinte para tomar um espresso caprichado ...


Um abraço e bom café!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Yaguara, um café especial

Romoaldo de Souza


Duas semanas atrás, participei com amigos de Recife, do Barista Jam, um encontro divertido, de pessoas interessantes, falando de café. Ali, experimente o Yaguara. Foi paixão à primeira vista.

Na CBN Recife, falei do porquê o Yaguara ser um café especial

Para saber mais sobre esse precioso grão, escute o podcast



Um abraço, bom café!

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Natal com Rabanada de Café


Eu não consigo falar em Natal se não tiver uma rabanada, de preferência feita quentinha, na hora do café da manhã. Como o Natal vai ser agora, no fim de semana, voltamos a falar dessa iguaria que chegou ao Brasil trazida pelos portugueses.

Há quem diga que a rabanada nasceu na Turquia, outras histórias lembram que a rabanada é feita de restos de pães, mas o que importa é que mesmo quem não aprecie uma rabanada, sempre faz a associação com o Natal.

Os ingredientes são os mesmos da rabanada comum, a diferença é que você vai despejar café coado por cima das fatias de rabanadas, quando já estiver preparando para fritar.




Você vai precisar de:

- 1 Pão de rabanada
- 60g café solúvel
- 250g  de açúcar
- 60g de canela
- 6 ovos
- Óleo para fritar
- 2 latas de leite condensado
- 40g de chocolate

Preparo

Corte o pão em rodelas de 2,5 a 3cm de espessura.  Coloque o café diluído em água morna e, em seguida, acrescente o leite condensado e as gemas.


Bata as claras em neve. Passe as fatias de pão na mistura de café, leite condensado e gemas e, depois, nas claras.  Frite os pães até que fiquem dourados.


Misture o açúcar, canela, um pouco de café e chocolate. Polvilhe a mistura nas rabanadas e sirva.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Conto de Natal


Esse post bem poderia começar com o tradicional "Era uma vez". Mas, essa é uma história real que transformamos num "conto" bonito e que, por si só, justificaria todo o esforço do Romoaldo e meu para mantermos este blog e uma pequena participação na CBN Recife

Afinal, nosso objetivo ao criar o Café & Conversa foi justamente o de levar o pouco conhecimento e o enorme entusiasmo que temos sobre café aos leitores, incentivar o consumo em cafeterias e em casa, ajudar sempre da melhor maneira que pudermos para que todos possam tirar o maior proveito dessa bebida maravilhosa. Queríamos e continuamos querendo que os brasileiros conversem sobre café com a mesma paixão com que conversam sobre futebol. Pois esses são os nossos principais produtos.

Com o tempo, conhecemos muita gente do mundo do café e como em qualquer tipo de atividade humana, tem gente legal e tem gente que não é legal. Mas, sempre preferimos ficar com as legais. Ao incentivarmos o consumo de café e a frequência nas cafeterias, nos deparamos com a falta de mão de obra especializada em várias áreas, especialmente no Barismo.

Barista é o profissional que maneja o maquinário da cafeteria e é o responsável pela preparação das bebidas servidas.

Conforme nos aprofundávamos no assunto, também acompanhamos a tramitação do projeto de lei que regulamenta a profissão. Talvez esse quadro de falta de mão de obra mude a partir da regulamentação. Quando nos demos conta, havíamos expandido nossa atuação muito além do que tínhamos inicialmente planejado. E tem sido muito bom.

Com a correria do dia a dia - também somos repórteres de política - às vezes não percebemos como influenciamos pessoas próximas de nós, mudamos seus hábitos, despertamos o interesse pelo universo do café. É por isso que os jornalistas que trabalham no Comitê de Imprensa do Senado se cotizam para comprar bons grãos, moem e fazem seu próprio café numa cafeteira French Press. Um presente do Café & Conversa : ) O mesmo tem acontecido no Comitê de Imprensa do Palácio do Planalto.

Mas, o nosso conto vai além. Uma das moças que trabalha no serviço de limpeza do Senado sempre nos via moendo, conversando e fazendo café e se encantou com aquilo tudo. O nome dessa moça é Eluzinete Ramos de Lemos e, um dia, ela nos pediu que a ensinássemos, tarefa que o Professor Romoaldo cumpriu com muita satisfação. 

Assim, nos dias de maior movimentação política, Eluzinete se dispunha a pilotar com indisfarçável alegria o moedor e a cafeteira para ocupadíssimos, apressados e agoniados jornalistas. Ela acabou se integrando muito naturalmente nesse precioso momento do café, que se tornou uma tradição sagrada. Vários parlamentares vão lá apenas para tomar o café. 

Uma tarde, estava eu vidrado no monitor do meu computador lendo alguma notícia e assistindo algum vídeo (tenho facilidade de entrar em estado alterado de consciência para fazer várias coisas ao mesmo tempo) com o headphone enfiado nos ouvidos, quando uma mão tocou suavemente o meu ombro. Era Eluzinete

Ainda em transe, achei que ela estava ali me pedindo para pegar o moedor, que fica zanzando entre dois andares. Não era. Retirei o headphone dos ouvidos. Ela queria me contar que havia feito o curso básico de Barista, ministrado pela nossa querida amiga Luciana Sturba, da Grenat Cafés Especiais. Eluzinete então retirou uma folha de papel de um envelope e, com um largo sorriso, me entregou o diploma. Só não chorei porque tenho um nome a zelar ... (rs)

Olhaí a Eluzinete com seu diploma e realizando um sonho

Após os abraços e festejarmos um bocado, ela me disse empolgadíssima que agora vai cumprir a próxima etapa, fazendo um curso mais avançado para se tornar uma Barista Profissional. "Estou apostando nessa carreira", disse. E nós, aqui do Café & Conversa, estamos torcendo para que ela consiga.

Não poderíamos ter encerrado este ano de um jeito melhor nem poderíamos ter recebido um presente tão bacana quanto essa notícia. Para continuarmos incentivando e ajudando a realização do sonho, o Café & Conversa orgulhosamente presenteou Eluzinete com um kit contendo um moedor, uma cafeteira French Press, uma lata para armazenar café, 250g de café especial em grão Bourbon Vermelho e outros dois pacotes iguais de grão Maragogipe e do Blend Grenat.

Claro que fotografamos, filmamos e nos emocionamos. Vejam:

O espanto e a curiosidade ...

... a surpresa ...

... explode coração!!!

video


video


Feliz Natal e Bom Café a todos os nossos amigos, leitores, ouvintes e incentivadores!!! Que o Papai Noel de vocês seja tão legal quanto o nosso : ) Um abraço e bom café!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Madeleine com Café

Raquel Ribeiro Alves

Conta a lenda culinária que, na segunda metade da primavera de 1755, o rei da Polônia, sogro de Luís XV, encontrava-se em Paris e numa noite - daquelas em que o acaso soe interferir na história - o confeiteiro real abandonara o posto e Stanislaus, o rei, desejava uma sobremesa. Pediram então à auxiliar, chamada Madeleine Paumier, para improvisar alguma guloseima que satisfizesse o paladar real.

Ela que preparara para seu lanche noturno uns bolinhos doces, aromatizados com limão e laranja, aqueceu-os no forno e mandou-os para sua alteza. Encantado com o perfume e sabor da novidade, o rei da Polônia os batizou com o nome de sua criadora. Um século depois, Marcel Proust, "Em Busca do Tempo Perdido" tornou as madeleines famosas, ao cita-las como ponto de partida da experiência psicológica que inspirou sua obra-prima. Foi então creditada a autoria desses bolinhos doces, de superfície estriada e formato de concha de vieira, ao confeiteiro Jean Avise, do século XIX, que trabalhava para o príncipe Talleyrand, ministro de Napoleão Bonaparte e também a Antonin Carême, da mesma época, mago da cozinha francesa.


As deliciosas madeleines que encantaram o rei da Polônia e o escritor Proust

Euzinha conheci as benditas na França em 2001. Comi com chocolate quente (ops! não foi café...) e me apaixonei, mas passei anos sem nem ver sinal das pequenas. O jeito era achar a receita, o que foi mega fácil! Achar as forminhas... esse foi o desafio, mas já expliquei como o destino foi bondoso comigo e agora posso assar as "madás" todas as noites ou pela manhã, para comer com café quentinho.

Vamos deixar de mimimi e vamos ao que interessa

Você precisa de uma grade, um fouet, um forno, e claro, as forminhas  (de metal ou silicone). A receita dá para 28 madeleines. E uma dica muito legal é: quanto maior o choque térmico melhor as madás ficam. Então, deixe o forno quente de verdade e deixe a massa gelada de verdade antes de assar. É sucesso garantido!



Madás de Café

Ingredientes

- 2 ovos
- 150 gramas de açúcar peneirado
- 150 gramas de farinha peneirada
- 1 colher de café de fermento químico
- 125 gramas de manteiga em temperatura ambiente
- 2 colheres de sopa de leite
- 1 colher de licor de café ou de essência de café

Modo de fazer

Bata os ovos e o açúcar até conseguir um creme claro. Adicione a farinha, o fermento, a manteiga e o leite (nessa ordem e aos poucos). Adicione a essência ou o licor de café. Deixe descansar por, no mínimo, 30 minutos na geladeira.

Despeje uma colher de café de massa nas forminhas untadas (se for de silicone, não precisa!) Coloque no forno BEM QUENTE, deixe assar por 4 minutos em forno alto, reduza para forno médio e deixe assar por mais 5 a 6 minutos (eu deixo mais, deixo por 7, 8 minutos...). Desenforme e deixe esfriar na grade... mas não deixe esfriar muito não, vá logo comendo com café.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Café para combater o câncer de útero


Uma mensagem do ouvinte Chacal Trilheiro, postada no twitter do Café & Conversa, remete para uma pesquisa da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, e a conclusão do estudo é de que o consumo de café pode reduzir em até 25% o risco do câncer de útero em mulheres que tomam até três xícaras grandes, por dia.

É bom destacar que os consumidores dos Estados Unidos costumam tomar café em canecas em vez da tradicional xícara de espresso de 30ml, que o mundo conhece.

Também vale lembrar que em algumas cafeterias de lá, eles servem praticamente um chafé de tão ralo que é. Por isso, sendo aqui no Brasil, as mulheres devem tomar até cinco xícaras pequenas.

No entanto, reportagem publica na revista Câncer, Epidemiologia e Prevenção de Doenças, que analisou a pesquisa, chama a atenção que tomar café com muito açúcar pode anular os efeitos benéficos para a saúde.

A pesquisa dos especialistas americanos confirma o que nós já vínhamos dizendo, que café só faz bem à saúde. Claro, desde que tomado sem exageros.


Um abraço, bom café! 

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Café e água com gás

Romoaldo de Souza

Toda cafeteria que se preze, que tenha dedicação pelo cliente e paixão pelo produto que vende, deve servir um copinho de água com gás, junto do café espresso.

E tanto o atendente como o cliente deve se comunicar. Se o cliente não sabe a função daquele copinho com água pergunte. E o atendente, tem de ter, na ponta da língua a resposta para a função daquele copinho, ali, tão pequeno, parecendo um copo de pinga.

Escute o podcast:


Um abraço, bom café

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Uma passagem pelo mundo do café, em Recife

Romoaldo de Souza

Na noite de quarta-feira (14), fui a uma degustação de cafés, acompanhada de tortas, cada uma melhor que a outra. A avenida Rosa e Silva, em Recifejá é uma rua movimentada e nas imediações da Dalena Tortas Especiais, já na chegada, dava para perceber que o evento, como é costume dizer no popular, estava "bombando". Gente muito bonita, música agradável, apropriada para  o local e, mais importante, café de primeira.

Para saber mais como foi o encontro de cafés e pessoas especiais, regado a tortas, apropriadas para "entortar" qualquer paladar refinado, escute o podcast veiculado na Rádio CBN Recife



Um abraço, bom café!

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Bruno Okamoto, Acaiá Despolpado e o Tio Gu Café

Ricardo Icassatti Hermano

Atendendo a convite irrecusável do Barista Bruno Okamoto, ontem fui ao Tio Gu Café Creperia (SCLS 413 Bloco D) para experimentar um café diferente. Trata-se de uma saca apenas, oriunda de um micro lote de grãos da espécie Acaiá, lá da Fazenda Chapadão dos Pinheiros, em pleno cerrado mineiro. 

Olha o danado aí

Além de ser um excelente Barista, Okamoto também é um cara legal e está realmente comprometido com o seu projeto de disponibilizar pelos menos dois tipos diferentes de café a cada dois ou três meses. Para isso, até já comprou um máquina de espresso maior. Em seguida, virão dois moedores. Brasília agradece. Quanto mais grãos especiais tivermos, melhor será a vida : )

Okamoto fazendo sua mágica

Okamoto é paulistano e está em Brasília há apenas quatro anos, mas já se destacou no cenário desse nosso "cafezal". O cara já fez muito em seu pouco tempo de vida, tem 25 anos de idade e largou uma faculdade de turismo para se entregar à gastronomia. E deu certo, pois foi ali que ele encontrou o que procurava. Trabalhou em tudo que essa área proporciona e acabou virando consultor de restaurantes.

Foi assim que ele veio parar aqui, dando consultoria ao pessoal do Tio Gu Café Creperia para montagem de cardápio e treinamento de pessoal. Para nossa sorte, acabou ficando. Okamoto também foi atraído pelo café e juntou o Barismo à sua extensa experiência profissional, um casamento perfeito porque ajuda a elaborar maravilhas como essa aí abaixo.

Chocolate quente com coroa de chocolate

Mas, vamos ao café. A marca é Baggio e o grão Acaiá é despolpado, o que faz uma enorme diferença do café secado em terreiro com a polpa. Boa parte da acidez ficou na polpa. Experimentei dois espressos. Um na xícara pequena e outro na grande. É difícil de acreditar, eu sei, mas apenas isso faz uma enorme diferença no aroma e sabor.

Aumenta a xícara e o sabor muda

O Acaiá é encorpado, tem torra média e sabor frutado, suave, acidez mínima. Eu disse ao Okamoto que gostaria de experimentar uma torra mais clara em café coado e ele prometeu providenciar. Afinal, a Baggio comprou apenas uma saca de 60 kg desse grão. Estão experimentando e monitorando a aceitação da clientela. Se der Ibope, vira freguês.

Torra média e promessa de torra clara para experimentar

Faminto, aproveitei para jantar um belo crepe de salmão, cuja receita é do Okamoto. Uma beleza! Mas, esqueci de fotografar. Enquanto eu aguardava o meu crepe, tocou o iPhone e do outro lado estava a inconfundível voz da minha querida amiga Tida 171

Pode sofrer ... eu deixo : )

Achei até que tinha morrido porque não a via há tempos. Estava em outro restaurante, acompanhada do Augusto e da galeguinha de Pedralva, Raíssa Abreu, se despedindo da cidade. Vai aplicar seus golpes no interior de São Paulo agora ... comi o meu crepe e corri pra lá, onde encerrei a noite da melhor maneira que existe, dando gargalhadas.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Bolo de Mandioca com Café

Romoaldo de Souza

Conta a lenda que um cacique teve uma filha índia que, certo dia, apareceu na tribo, grávida, mesmo sem tem qualquer relacionamento com um homem. Nove meses depois a índia teve uma filha branca. A menina foi chamada de Mani. mas morreu loco em seguida. A mãe ficou desconsolada e enterrou a filha, ali no pé do fogão, mesmo! No dia seguinte, do local onde Mani tinha sido enterrada, apareceu um pequeno arbusto.

Curiosos todos os índios da tribo foram cavar onde estava nascendo a plantinha e encontraram grossas raízes, brancas da cor do corpo da indiazinha que tinha morrido.

Para saber mais sobre essa lenda, escute o podcast rodado hoje, na CBN Recife. 


Um abraço, bom café!

Agora, se você quer fazer um bolo de mandioca, aipim ou macaxeira, com café. Eis a receita:

·         4 ovos
·         1 xícara de chá de café
·         2 pratos de sobremesa de mandioca ralada
·         1 prato de sobremesa de queijo ralado
·         2 colheres sopa de margarina
·         1 prato de sobremesa de açúcar
·         1 colher sopa de fermento em pó
·         Calda:
·         2 colheres sopa de chocolate em pó
·         4 copos tipo americano de açúcar
·         2 copos de café amargo

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Café com Sorvete de Abacaxi

Romoaldo de Souza 

Chova ou faça sol, no calor ou no mormaço, um sorvete de abacaxi é sempre muito benvindo.  Agora, imagine sorvete de abacaxi com café.  Parece diferente, e é, mas é saboroso.

Hoje, nossa receita leva duas bolas de sorvete, um copo de suco de laranja, chantilly, canela, rodelas de abacaxi e café.

Escute o podcast para saber mais e como ficou nossa sugestão!


Um abraço, bom café!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Big and Little Coffee Snobs

Ricardo Icassatti Hermano

Dia desses postei um vídeo de humor do site Funny or Die, que criticava com "extrema acidez" o comportamento dos esnobes do café. Gente que se acha porque obteve algum conhecimento sobre preparo de café e trabalha em cafeterias chiques. Vídeo abaixo:




Ontem vi um outro vídeo que mostra bem esse comportamento boboca. A "exigente" barista paulistana se pavoneava e falava sem parar sobre as "características fantásticas de aroma e sabor" dos cafés que preparava, com cheiro disso e gosto daquilo, e o sujeito que "aprendia" e experimentava, por mais que tentasse, não achava nada ... ou pior, sentia outra coisa completamente diferente.

Hoje, no Facebook, a Barista Bebel Hamu, que felizmente não faz parte dessa turma de esnobes bobocas, postou um outro vídeo bem humorado com crianças de apenas cinco anos de idade, mostrando como é "fácil" preparar um espresso e um cappuccino. Hilário! Valeu a dica Bebel. Vejam:



Uma viagem pelo mundo das cafeterias de São Paulo

Romoaldo de Souza 

Um leitor do Recife mandou um e-mail, duas semanas atrás, dizendo que estava de viagem marcada para São Paulo e gostaria de visitar algumas cafeteiras recomendadas pelo blog Café & Conversa.

Eu me recordo ter mandado ao menos cinco nomes desses verdadeiros templos do café, onde o consumidor é tratado com atenção e profissionalismo, o grão é servido com qualidade e os baristas atendem como se disputassem um campeonato de tão esmerado que é o serviço.

Na volta, o leitor conta que parecia ter ido a outro país, encantado com o ambiente e principalmente com o produto que foi servido. Café.

Para saber mais, como foi essa "inesquecível" viagem pelo mundo do café, na cidade de São Paulo, escute o podcast de preferência tomando um bom café.


Um abraço, bom café!

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Café e Harmonia

Romoaldo de Souza

Quer viver bem? Primeiro pare de tomar café de garrafa términa. É um horror. Depois, relaxe e escute esse podcast. Nunca mais você vai se estressar a toa!



Um abraço, bom café!

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Ceviche com Café

Ricardo Icassatti Hermano e Romoaldo de Souza

O leitor Paulo Cortez nos procurou e disse que malhou muito para ficar com um corpo bonito e fazer bonito nas praias pernambucanas. Ele quer manter a forma adquirida e gostaria de evitar as muitas frituras servidas nos bares e restaurantes praianos. Cortez nos perguntou qual seria a nossa sugestão de prato que fosse saudável e gostoso, envolvesse café, mas que não traga gordurinhas indesejáveis.

Fomos nos socorrer com as meninas do blog Mexido de Ideias e lá encontramos uma receita de Ceviche com Café. Assim como o sushi caiu no gosto dos brasileiros, o ceviche tem tudo para ser a sensação das cidades litorâneas nesse Verão. Ceviche é um prato típico do Peru e, como o sushi, também utiliza peixe cru e é muito fácil de fazer. Bem, não exatamente cru, mas marinado e semicozido pelo suco de limão.

Veja o que diz Stela Morato, a autora da receita: "Os sabores desses ingredientes combinam perfeitamente. A manga confere um adocicado discreto, o café seu sabor peculiar, a cebola o ardidinho e os outros tons são conferidos pelas ervas."





Anote aí a receita.

Ingredientes
• 300g de filé de atum fresco ou outro peixe de carne vermelha
• 1 limão siciliano
- 1 xícara de café forte ou espresso
- 3 talos de cebolinha picada
- 1 cebola roxa picada
- 1 punhado de dill ou coentro, salsa etc.
- 1 manga cortada em quadradinhos
- 1 pimenta dedo de moça, sem semente e picada (opcional)

Preparo
Corte o peixe em quadradinhos ou tirinhas e coloque em uma tigela com o café já frio. Deixe marinar na geladeira por aproximadamente 15 minutos.
Adicione o limão e o restante dos ingredientes. Misture e sirva imediatamente.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O Palhaço, um retrato de todos nós eleitores

Ricardo Icassatti Hermano

Um circo chamado "Esperança" comandado por dois palhaços, pai e filho. Pobreza no limite da indigência. Uma vida difícil e ainda piorada pelas espertezas e corrupção entranhadas nas menores frestas. Mesmo assim, os protagonistas acham espaço para rir e fazer rir. Viu alguma semelhança com a sua realidade?

Cartaz do filme

Apesar do tom de comédia, não se espante se você sentir uma certa estranheza ao assistir o filme "O Palhaço". O filme é um espelho do povo brasileiro. Está tudo lá naquele micro cosmo. O esforço infrutífero do trabalho, a corrupção descarada, as traições, a deslealdade, a desilusão, a passividade inexplicável, o conformismo e a nossa eterna mania de fazer piada com tudo. Deve ser instinto de sobrevivência, uma maneira torta de manter a sanidade.

Um palhaço comanda o Circo Esperança

Selton Mello já está entre os grandes artistas brasileiros. Esse filme é somente mais uma prova desnecessária do seu talento, mas uma obra muito benvinda para nós. Ele escreveu o roteiro com Marcelo Vindicatto, dirigiu e atuou. E foi brilhante. É com alegria que vejo mais um filme nacional bem feito. Infelizmente, as muitas porcarias continuam pegando carona no sucesso merecido dos poucos bem feitos e atraindo os incautos para os cinemas. Espertezas ...

O filme não é uma crítica, mas está implícita
Na verdade, quem faz a (auto) crítica é o espectador

Selton Mello reuniu um belo elenco de comediantes e teve mão suave na direção. As piadas foram muito bem escolhidas, pois trata-se de um circo bem pobrinho, desses que perambulam pelo interiorzão rural. Conheço bem essa parte do Brasil, pois comecei a viajar de carona em carrocerias de caminhão aos 14 anos de idade. E era nessas estradas empoeiradas que eu gostava de estar. Hoje, sou assumidamente urbano. Mas, essa é outra história.

Bom elenco e uma pequena revelação

Foi interessante rever um espetáculo circense do interior. Assisti a vários e fiz questão de mostrar esse mundo para os meus filhos. Um deles ficou com medo de palhaços até hoje. Aquela graça meio sem graça que faz a gente rir quase que por solidariedade. Os truques manjados do mágico, os malabaristas de baixo risco. No filme, tem até uma odalisca dançando com uma espada, que me lembrou a Carolina Lima, a nossa musa Carol, bailarina de Tribal e Dança do Ventre e que também se apresenta com uma espada.

Hoje tem marmelada? Sempre tem. E o palhaço o que é? Somos nós ...

Claro que o filme tem a parte dramática, que serve para reforçar aquele incômodo de se ver refletido na tela. Afinal, toda história de palhaço tem um drama. Mas, não chega a nos fazer chorar. Apenas nos mostra mais uma faceta nossa, a da ilusão fácil que muitas vezes nos tira do nosso caminho na vida. Consequentemente, as desilusões vêm em seguida. 

O filme é delicado e muito bem produzido
Vale o ingresso e todos os prêmios que recebeu e ainda poderá receber

Além de Paulo José e do próprio Selton, destacam-se as atuações dos desaparecidos Moacyr Franco, Ferrugem e Jorge Loredo ou Zé Bonitinho, como ficou conhecido. Mas, quem despontou como uma futura gata da atuação é a menina Larissa Manoela

Essa garota tem o talento e a beleza para fazer uma grande carreira

E não é atoa que ela faz a personagem que representa a manutenção da esperança viva, apesar de tudo. E vamos tocando a vida ... Veja o trailer: