terça-feira, 30 de julho de 2013

O café e o perfume

Perfume e café. Mesmo que seja
perfume de café não se misturam
Thaís Sprovieri chegou, outro dia, em uma renomada cafeteria e foi bem atendida, a não ser por um pequeno detalhe, "um detalhe  com 25ml", que deixou a jornalista incomodada.

- O problema é o detalhe, um pequeno frasco, de 25ml. A moça que me atendeu, na cafeteria, parecia que tinha tomado banho de Chanel 5 - conta, dizendo que a atendende colocou tudo a perder.

Profissionais que trabalham em cafeteria deveria ser mais atentos quando ao perfume que usam, porque por mais discreto que seja, em geral, esse perfume pode contamina o café que vai ser servido.

Para saber mais o que ocorreu com nossa ouvinte, faça um clique no podcast a seguir








Joe, o café americano

Ricardo Icassatti Hermano

No mundo inteiro, os apaixonados pelo café não diferentes dos apaixonados em véspera de Dia dos Namorados. A intimidade dos enamorados leva a adotarem apelidos, geralmente no diminutivo, para os seus amores. É um tal de "môzinho" pra lá, "fuinha" pra cá e por aí vai. O mesmo acontece com os amantes do café.

"Cafezinho" é o apelido mais conhecido aqui no Brasil, mas tem também o "pretinho" ou misturas como o "pingado" e tantos outros nomes carinhosos, conforme a região. Nos Estados Unidos, o apelido mais conhecido é o "Joe". E tem uma história por trás disso. 

Tudo começou quando o editor de um jornal na Carolina do Norte, Josephus Daniels, foi convidado para o cargo de secretário da Marinha pelo então presidente dos EUA Woodrow Wilson. Daniels estabeleceu como meta de sua administração moralizar a Marinha. 


O "Joe" que mudou os hábitos dos marinheiros americanos

Para isso, aumentou o número de capelães (o padre militar), desencorajou a prostituição nas bases navais e baniu o consumo de álcool a bordo dos navios. Para substituir o álcool, Daniels aumentou o abastecimento de café. Os marinheiros acabaram apelidando a sua xícara diária de café como "cup of Joseph Daniels", que acabou reduzido para "cup of Joe".

E você? Que apelido colocou no seu amado café?

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Wolverine, agrada uns e desagrada outros

Ricardo Icassatti Hermano

Uma blasfêmia, foi como o meu filho mais velho classificou o filme Wolverine Imortal, logo que deixamos o cinema. O mais novo e eu até gostamos, porque somos fãs da cultura japonesa e o filme tem como cenário Tóquio e Nagasaki, tem os costumes, as reverências e rituais. Conversamos um bocado a respeito e não é que acabei concordando com ele!?!? Esse Wolverine está muito fraco. Mas, é justificável. Ah! Evitamos a versão em 3D. Por que? Ora, porque nem tudo deve ser filmado em 3D e, sinceramente, já está enchendo o saco.

Cartaz do filme

A classificação de filmes nos Estados Unidos é bem confusa sobre o que pode ser mostrado para qual idade. Os produtores que botaram grana querem ver o retorno e principalmente o lucro. Assim, os filmes têm que ser liberados para a mais ampla faixa etária possível. De acordo com a regulamentação americana, porrada, tiros, sexo, explosões, drogas, perseguições em alta velocidade, tudo bem para as crianças. Só não pode ter sangue porque nesse caso a faixa etária dá um salto para cima. 

Se o assunto é lâmina, falou em Japão

E o Wolverine entrou nessa onda. Num mundo em que a Disney está nos surrupiando os super herois e fazendo deles uns bundões (vide Iron Man 3), o Wolverine mata com suas garras/lâminas de adamantium, mas ninguém sangra. Como assim? Quando me corto com o barbeador, sangro mais que todos os mortos no filme. Juntos. É a tal regulamentação americana. Como qualquer traficante de drogas sabe, é preciso pegar o cliente ainda bem novo.

Melhor que trem-bala é virar uma bala

Nos gibis, Wolverine é uma fera sem controle, estourado, extremamente tosco e mortal. No filme, ele até que foi um pouco embrutecido, mas comparando com o gibi ainda é um gentleman. Nos gibis, ele bebe e fuma charutos. No filme, bebe moderamente e o charuto desapareceu. As crianças não podem ver isso, não é mesmo? Vai que elas resolvem ter como exemplo aquele super heroi politicamente incorreto, que faz o que quer e não leva desaforo para casa. Problema para o papai, a mamães, a tia da escola ...

Wolverine no modelito homeless

Mas, vamos ao filme. Essa nova versão não tem os X-Men porque trata apenas do Wolverine, um personagem que não precisa de um bando de super herois para fazer escada. O filme mostra o nosso heroi depois do último X-Men, quando foi obrigado a matar a sua amada Jean Grey. Ele, claro, está atormentado e vive como um ermitão sem-teto num floresta próxima a uma pequena cidade. Sua única companhia é um enorme urso Grizzly. 

Wolverine no modelito pós-banho, cabelo e barba

Um dia, caçadores matam o urso enquanto Wolverine tinha ido à cidade. O problema é que mataram usando veneno, da forma mais covarde e incompetente possível. Tanto é que o urso enlouquecido pelo veneno, mata cinco deles. Mas, uma japonesinha está no seu encalço e impede a primeira carnificina do filme. Um japonês, cuja vida foi salva por Wolverine durante a Segunda Guerra Mundial, se tornou um magnata industrial e quer retribuir devolvendo a mortalidade ao seu salvador.

Outra injustiça é ter poucas motos

Daí pra frente, tem muita luta, muitos cortes feitos com lâminas - estamos no Japão, não se esqueçam -, tiros, flexadas e nenhum sangue. Tem também a neta do magnata, Moriko, interpretada pela gatíssima Tao Okamoto.  outra garota japonesa não é gata, mas luta muito com uma espada de samurai. Outra personagem feminina é a Viper, uma mutante perigosíssima vivida pela atriz Svetlana Khodchenkova. Totalmente venenosa e com língua bipartida, me lembrou velhas piadas sobre sogras.

Ah, Moriko, Moriko ...

O cenário é bacana, as lutas são legais, mas poderiam ter explorado melhor o drama pessoal do Wolverine e terem feito lutas sangrentas como devem ser. Um batalhão de ninjas sai praticamente incólume de um encontro com Wolverine. Já vi mulheres menstruadas sangrarem mais que todo esse filme. No frigir dos ovos, o filme não é "assistível", especialmente para o público feminino. Como essas novelas vagabundas do final da tarde, o malhado ator Hugh Jackman passa boa parte do filme sem camisa. 

Wolverine no modelito depois das bombas

O Café & Conversa assistiu ao Wolverine Imortal e recomenda com as ressalvas e decepções já descritas. Diversão para toda a família, da vovó à netinha. Veja o trailer:


O café e os sanfoneiros

Luiz Gonzaga, considerado o Rei do Baião, gravou composição do médico Zé Dantas, no início dos anos 50, em homenagem ao café. A música que dá título à poesia diz:
"Antigamente 
O café num dava preço 
Isso era no começo 
No Brasil do Imperador 
Mas hoje em dia 
Tá na moeda, é nosso fraco 
Inté mesmo o puxa-saco 
Hoje é puxa cuadô 
Vejam vocês 
Quase todo mundo diz 
Que o Brasil só é feliz 

Se café tive valo"

Anos mais tarde, Dominguinhos, um dos mais destacados sanfoneiros da atualidade contou que gostava tanto de café, que em uma das festas que ele animou no Clube da Imprensa, em Brasília, mostrou uma garrafa térmica com café adoçado, sabendo que a noite seria longa. E foi.

- Varei a noite de tanto café que tomei - desabafou no dia seguinte.

Para saber mais sofre os efeitos da cafeína, faça um clique aqui, no podcast. Clique no play.



Por falar em café, lembro de uma gravação contando com a participação de Dominguinhos. Te Faço um Cafuné, composta por Zé Carlos.

Acompanhe a gravação com o grupo Juriti


Se eu soubesse que tu me querias
Tudo faria para te amar
Amor eu tenho para te dar
Quando passo e vejo ela debruçada na janela
Dá vontade de passar a mão ... nos cabelos dela

Já não consigo nem dormir
Se me deito com ela vou sonhar
Lai, laiá…
Pois faria tudo isso só pra te amar

Te faço um cafuné quando tu for dormir
Te dou café quando se levantar
Dou comida na boca
Mato a tua sede
Armo a minha rede
E vou te balançar


sexta-feira, 26 de julho de 2013

Receita da sexta-feira: Pancetta ao Espresso e Chocolate

Ricardo Icassatti Hermano - Texto
Romoaldo de Souza - Locução do podcast

O frio chegou com tanta força que até nevou na Região Sul do país. Os outros estados também sentiram os efeitos dessa frente fria e todo mundo teve que recorrer a casacos, gorros e luvas esquecidos no fundo das gavetas. 

Há quem goste e quem não goste, mas o frio proporciona o ambiente ideal para cafés, chocolates quentes, comidas mais encorpadas e mulheres elegantemente vestidas. Além do romance, claro.

Então resolvemos aproveitar tudo isso e trouxemos uma receita que junta todos esses ingredientes e mais alguns para que você aproveite ao máximo essa temporada gelada. Só tem uma coisa, o romance fica por sua conta. Anote aí os ingredientes e aprenda como fazer A Pancetta ao Espresso e Chocolate




Ingredientes


- 1 1/2 kg de pancetta, sem a pele
- 2 colheres (sopa) cacau em pó
- 2 colheres (sopa) de pó de café
- 2 colheres (chá) de sal
- 1 colher (chá) de pimenta do reino moída


Preparo

Preaqueça o forno a 220º C.

Lave a pancetta com água fria e seque bem. Faça cortes superficiais no lado da gordura formando quadrados, sem chegar até a carne. Misture o cacau em pó, o pó de café, o sal e a pimenta do reino e espalhe por cima do lado cortado, inclusive dentro dos cortes. Se tiver um termômetro de carne, espete-o na pancetta.

Coloque a pancetta sobre uma grade, dentro de uma travessa, e leve ao forno. Asse por 2 1/2 a 3 horas ou até que o termômetro indique uma temperatura interna entre 66º C e 77º C.

Feito isso, retire a pancetta do forno e fatie para servir, no tamanho que preferir. Pode servida com legumes grelhados ou batatas doces para contrastar.

Curta nossa página no Facebook

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Cuidados com o coador de pano

O coador de pano pode até ser uma lembrança
da vovó, mas a vida útil é curta
O comerciante Adelmo Pereira conta que, desde criança, tem o costume de tomar café e cada dia mais sente verdadeira paixão pelos drinks que as cafeterias do Recife estão fazendo.

- Mas o danado é que nada me faz trocar um café coado na hora, mesmo que seja em pequenas quantidades para não estragar - diz ele.

É verdade. Adeldo Pereira tem razão. Mas também é bom destacar que o coador de pano deve ser lavado na água da torneira, sem detergente, colocado para ser secado e guardado na geladeira, é o melhor lugar, para evitar contaminação. 


Escute o podcast com mais dicas sobre o coador de pano. Aperte o play.


quarta-feira, 24 de julho de 2013

Os efeitos da água com gás no seu café espresso

A foto é mera ilustração, mas temos percebido
que em muitas ocasiões, os baristas precisam
dar dicas aos consumidores.
O videomaker Marcelo Diniz chegou, dia desses, numa cafeteria, pediu um espresso curto e veio acompanhando o café, um copinho, pequeno, desses de 40ml, com água com gás. 

O repórter cinematográfico olhou, olhou, e foi aí que a atendente "saiu" em socorro do nosso leitor.

- O senhor prefere água sem gás? Nós temos essa opção - disse a moça

O que Marcelo Diniz queria saber era uma dúvida, por assim dizer, preliminar

- Essa água é para ser tomada antes ou depois do café? - questionou o repórter.




domingo, 21 de julho de 2013

Café com biscoitinho amanteigado

Levo mais como uma gentileza, mas prefiro não!
O jornalista Adelton Alves, tem ido às cafeterias e restaurantes que adotaram o hábito de servir biscoito doce, amanteigado, juntamente com o café.

- Gostaria de saber por que algumas cafeteiras e restaurantes oferecem biscoito doce acompanhando o café, preto ou com leite? Isso não tira o sabor do café? E mais, caso eu coma o biscoito, como antes ou depois? - questiona.

São mimos. Gentilezas das cafeterias. 


Curta a nossa página no Facebook.

Siga o Café & Conversa no Twitter

Espie nossas fotos no Instagram

sexta-feira, 19 de julho de 2013

Cuca com cappuccino - a receita do fim de semana

Sei não, viu, mas essa deliciosa cuca com cappuccino...
Stela Morato e Kelly Stein são as meninas do Mexido de Ideias, um blog cheio de receitas que quando elas colocam uma foto, como esta da receita do fim de semana, a boca fica inundada de tanta água. Para este fim de semana, elas estão recomendando a cuca com cappuccino. 

A cuca chegou no Brasil trazida pelos imigrantes alemãs, no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, onde as delicias da Alemanha foram sendo implantadas, tinha cuca com banana, cuca com maçã e aveia, a mais tradicionais. Agora, Estela fez diferentes experimentos botou, literalmente, a mão na massa e concluiu a tradicional cuca alemã ficaria bem com cappuccino.

- É para se deliciar com cada migalha dessa cuca com cappuccino - destaca.


RECEITA DE CUCA COM CAPPUCCINO
Tempo de preparo: 1 hora e 15 minutos
Rendimento: 6 a 8 porções

INGREDIENTES

Massa
2 ½ xícaras de farinha de trigo
6 colheres de açúcar
15g de fermento biológico (1 quadradinho)
2 colheres de banha de coco
Raspas de limão (só a parte vidrada, ou seja, a parte brilhante da casca)
250g de leite morno
2 ovos
1 pitada de sal


Farofa

1 xícara de farinha de trigo 
1 xícara de açúcar 
20g de Cappuccino 3 Corações tradicional
1 colher (chá) canela
2 colheres banha de coco (ou margarina vegetal)

MÉTODO DE PREPARO

Massa
Misture bem o fermento com metade do leite quente e 1 colher de açúcar em um bowl.
Cubra-o com um pano de cozinha e deixe no local mais quente de sua cozinha por aproximadamente 30 minutos.
Quando o fermento estiver levedado (crescido), adicione a farinha, o restante do açúcar e do leite, a banha , ovos, raspas de limão e o sal.
Misture bem com as mãos até atingir consistência homogenia e pegajosa.
Coloque em uma forma.
Coloque a farofa por cima e ponha para assar durante 40 a 50 minutos em forno pré-aquecido a 180ºC.


Farinha
Misture a farinha com a banha, açúcar cappuccino e a canela.
Mexa bem com a ponta dos dedos até ficar com uma consistência de farofa.

Dica - Prepare a farofa enquanto o fermento estiver crescendo.


quinta-feira, 18 de julho de 2013

Quantos cafés podemos tomar por dia?

Esse nativo da Ilha de Páscoa contou que
tem tomado, em média 5 xícaras de café
Especialistas recomendam quatro a cinco xícaras de café por dia, mas nunca deixe de fazer uma consulta com o seu cardiologista. O meu liberou.

- É sempre bom tem moderação com bebidas à base de cafeína - disse o doutor Orsellas. Ele sim, um doutor porque fez doutorado. 

Mas muitas pessoas escrevem para o blog Café & Conversa e fazem esse tipo de consulta. Ontem, encontrei o deputado Leonardo Gadelha (PSC-PB) e ele disse que toma, em média, dez xícaras por dia.

- É muito ou pouco? - quis saber.

Conhecendo o café que os congressistas tomam, eu recomendei moderação ao parlamentar. Moderação e juízo. Os brasileiros tem obrigação de tomar café de qualidade. 

Escute o podcast e saiba mais sobre café e as dicas que dei a Gadelha. A perte o play


quarta-feira, 17 de julho de 2013

A crise econômica e o nosso café da manhã

Ricardo Icassatti Hermano - Texto
Romoaldo de Souza - Locução do podcast

A crise financeira bateu primeiro no café da manhã
A Organização Internacional do Café (OIC) prevê em seu relatório mensal que a produção mundial de café em 2012/13 vai ser de 144,6 milhões de sacas de 60 kg, um aumento de 7,8% em relação à safra anterior. A produção de arábica subiu para 88 milhões de sacas (7,4%), e o robusta atingiu 56,6 milhões, uma alta de 8,4%.

A OIC concluiu que a alta foi causada por safras maiores na maioria dos principais países produtores, com a brasileira subindo 16,9% (50,83 milhões de sacas), a indonésia aumentando 74,7% (12,73 milhões), a colombiana avançando 24,1% (9,5 milhões), e a etíope crescendo 19,1% (8,1 milhões).

Pelo jeito, café não vai faltar. Infelizmente, o mundo está em plena crise econômica e o mercado é ditado não apenas pela oferta, mas principalmente pela demanda que vai determinar a disponibilidade do produto. Se o consumo diminui, menos café será oferecido. E isso não é uma boa notícia.

Também não é boa a notícia do problema com os preços da saca de café no mercado internacional. Reflexo da crise que já encareceu até o nosso café da manhã mais básico. Nos últimos 12 meses as prateleiras dos supermercados viram o preço da manteiga subir 10%, o leite aumentar 17% e o pão francês pular estratosféricos 21%. 



Café & Conversa no Twitter
Café & Conversa no Facebook
Café & Conversa no Instagram

terça-feira, 16 de julho de 2013

Cafeína para quem está perdendo cabelo

Ricardo Icassatti Hermano - Texto
Romoaldo de Souza - Locução do podcast

Aqui no blog Café & Conversa, você já descobriu que a cafeína ajuda a prevenir diversas doenças e males, ajuda no rendimento esportivo, acelera o emagrecimento, combate a celulite, auxilia nos estudos, reforça a concentração, tira o sono e faz as conversas ficarem mais interessantes. Mas, você sabia que a cafeína também ajuda a manter a cabeleira?

Pois é. A cafeína diminui a queda dos cabelos e até faz nascer mais alguns. E para quem está ficando careca, qualquer fio poupado é lucro. A indústria da beleza ainda não percebeu os efeitos milagrosos da cafeína, mas as cabeleireiras já sacaram e até criaram suas fórmulas para shampoo. Conseguimos uma receita e trazemos com exclusividade para os nossos leitores que estão vendo seus cabelos rebeldes fugirem todos os dias.

Aproveite que você ainda vai tomar banho, escute o podcast. É só clicar no play




Anote aí os ingredientes desse shampoo milagroso.

- 1 shampoo sem sulfato
- 3 colheres (chá) de cafeína em pó

Coloque a cafeína em pó no shampoo e misture bem. 

Outra dica da cabeleireira do Café & Conversa é lavar o cabelo normalmente e, em seguida, esfregar um punhado de café em pó no couro cabeludo. Massageie bastante antes de enxaguar.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Cápsulas amigas do meio ambiente

Ricardo Icassatti Hermano - Texto
Romoaldo de Souza - Locução do podcast

Há quem goste e há quem não goste. Mas, uma coisa é certa, o café em cápsulas veio para ficar. Certamente é um avanço tecnológico, facilita a vida de quem luta contra o tempo e a relação custo/benefício para restaurantes, por exemplo, é imbatível. Porém - e sempre há um porém -, as cápsulas não nos permitem ter o controle sobre o que estamos consumindo, deixando essa responsabilidade nas mãos da indústria alimentícia, o que nem sempre é uma boa ideia.

Outro problema é a própria cápsula. Feita de plástico e alumínio, uma vez usada e descartada passa a ser um problema ambiental. O material leva de 100 a 400 anos para se decompor na natureza, dependendo do tipo de plástico. Mas, os defensores do verde não precisam jogar suas máquinas de Nespresso no lixo, o que também causaria outro problema ambiental.

A BASF fez uma parceria com a Swiss Coffee Company para desenvolver uma cápsula biodegradável utilizando um tipo  de plástico chamado "ecovio". As cápsulas já estão à venda no mercado europeu com a marca "beanarella". Segundo a empresa suíça, o café contido nas cápsulas é orgânico e respeita as regulações do comércio justo. 

Agora, aperte o play para escutar o podcast




A nova cápsula recebeu o prêmio de inovação IDEE SUISSE 
Golden Idea Award 2013.

Se você estiver viajando pela Europa e encontrar essas cápsulas, traga algumas para que a redação do blog Café & Conversa faça uma degustação sustentável. Porque elas devem demorar para chegar ao Brasil. 

Siga o Café & Conversa

Café & Conversa no Twitter
Café & Conversa no Facebook
Café & Conversa no Instagram

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Coffee Punch, a receita do fim de semana

Ricardo Icassatti Hermano - Texto
Romoaldo de Souza - Locução do podcast

A sexta-feira chegou e você quer mais é relaxar. Nada de complicações ou trabalho extra. Nós entendemos o seu problema. Todo mundo precisa descansar de vez em quando. Por isso, hoje trouxemos uma receita facílima para a sobremesa de domingo. Ninguém quer ficar o dia inteiro na cozinha preparando almoço, né? 

O nome dessa sobremesa é Coffe Punch. Em tradução livre seria algo como "Soco de Café". Talvez parecido com o soco que nocauteou o brasileiro Anderson Silva no UFC ... Mas, se você usar essa receita só vai nocautear de prazer os felizardos que sentarem à sua mesa. Anote aí os ingredientes e o modo de preparar essa delícia que dá entre oito e 10 porções.

Escute o podcast com os detalhes para preparar essa receita. Aperte o play



Coffee Puch

Ingredientes

- 1kg de sorvete de café
- 1 1/2 lata de cerveja
- 50ml de xarope de chocolate ou baunilha
- 1 1/2 lata de água gasosa

Preparo

Misture devagar todos os ingredientes e sirva em copos altos com canudinho.

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Impressão no cappuccino

Let’s Café, um jeito diferente de pedir
um cappuccino personalizado
O governo brasileiro se debatendo, tentando entender o estrago causado pelos arapongas americanos, a ponto de o ministro da Defesa dizer que tem medo até de mandar um e-mail, e não é que uma empresa da China criou uma máquina que imprime fotos do cliente, na xícara de café?

- Bom dia. Eu quero um cappuccino - diz o cliente!
- Com ou sem foto? pergunta o barista.
- Como assim, café com foto? - assusta-se o cliente
- Isso mesmo. Com a sua foto - insiste o funcionário da cafeteria.
- Posso entregar um arquivo digitalizado? - perguntou a moça um tanto quanto tímida.

Escute o podcast e diga se não dá vontade de sair - por aí - tomando cappuccino a todo tempo? Aperte o play 







domingo, 7 de julho de 2013

Criatividade e Café

Ricardo Icassatti Hermano - Texto
Romoaldo de Souza - Locução do podcast

Imagine a seguinte situação: você está trabalhando em algo que exige bastante da sua criatividade. O tempo passa, o trabalho avança, o café acaba e você precisa desesperadamente de mais uma xícara. As - boas - cafeterias já estão fechadas. O que fazer? Nossa primeira recomendação é respirar fundo e acessar o blog Café & Conversa para descobrir uma saída.

Escute o podcast e descubra se você é um coffee geek. É só apertar o play


E vai ser na internet que você vai encontrar não o café, mas alguns paliativos que podem lhe trazer algum alívio e enganagr o cérebro até o sol raiar. O primeiro deles é música. Sim, música feita a partir dos sons emitidos quando preparamos nosso café. O compositor e sound designer, Diego Stocco, captou esses sons e fez música. Veja o vídeo:



Mas, aí você pode dizer que essa música só fez aumentar o seu desejo por um café. Ainda na área dos sons, pesquisadores americanos descobriram que o som ambiente de uma cafeteria estimula a critividade em ambiente de trabalho. Talvez seja porque muita gente gosta de trabalhar dentro das cafeterias. Basta então acessar o site Coffitivity, aumentar o som a fazer de conta que está na sua cafeteria predileta.

Ainda não ajudou? Então o negócio é relaxar. E nada melhor para isso do que jogar um game. Pois uma moça japonesa que vive nos Estadod Unidos e é apaixonada por café, está fazendo um curso de programação em linguagem Java e disponibilizou em seu blog seu primeiro trabalho: um game bem simples chamado Barista Training

Guerra Mundial Z, manual completo de sobrevivência

Ricardo Icassatti Hermano

Quando o apocalipse zumbi chegar - e vai chegar -, não coloque uma arma na mão de um cientista e nem um telefone celular na mão de uma mulher. Vai dar problema. Quando eu achei que já sabia o suficiente para sobreviver na Zumbilândia, recebo essas duas valiosas lições assistindo ao recém lançado filme Guerra Mundial Z junto com o meu caçula. Uma produção inteiramente montada em torno do ator Brad Pitt, que faz o papel principal: um investigador da ONU que é meio cientista e meio black op


Cartaz do filme

A vida está sorrindo para o ex-investigador da ONU Gerry Lane (Brad Pitt), sua esposa Karin Lane (Mirelle Enos) e duas adoráveis filhas. A mais velha é asmática. Aí começa uma epidemia desconhecida e incontrolável que transforma as pessoas em zumbis no prazo recorde de 10 segundos. Basta uma dentada. E aqui o filme se diferencia dos demais, onde os zumbis querem não apenas morder os vivos, mas também devorá-los. Neste filme, a epidemia se parece com a hidrofobia e o vírus quer se espalhar.


Ele só quer salvar a família

A história parece que foi criada apenas para o Brad Pitt. Todo o restante do elenco atua como "escada" para o galã. Isso torna o filme ruim? Não que eu tenha notado, porque o enredo é muito bom e os novos zumbis são extremamente assustadores e nos deixam tensos o tempo todo. Mas, o tal investigador (era ex, mas como é a cocada preta dos investigadores, acaba sendo recrutado para achar o que poderia ter iniciado a epidemia) parece o James Bond ou o Ethan Hunt de Missão Impossível. 


Pai de família, black op, investigador da ONU e matador de zumbis

O cara luta com zumbis em todos os lugares do planeta e vence. O cara sabe usar qualquer arma, de pé de cabra a granada. O cara sobrevive a uma queda de avião que ele mesmo provocou. O cara anda quilômetros com um pedaço de fuselagem atravessado na barriga. O cara injeta vírus em si mesmo e sobrevive. O cara é casado com a Angelina Jolie. O cara é foda! E também é bonitão. Aliás, Brad Pitt é a carta na manga para você convencer a sua namorada, noiva, esposa, ficante,  peguete, irmã, prima, mãe, tia, avó, a assistir a um filme de zumbi. O cinema estava cheio de mulheres, a maioria desacompanhada. Não acredito que, de uma hora para outra, passaram a gostar desse tipo de filme.


A mulherada vibra ...

A história tem umas mentirinhas? Tem, como todo filme deve ter. Uma delas é os militares americanos se preocupando em salvar diplomata da ONU. É de gargalhar. Outra é o Brad Pitt casado com mulher feia. A mulherada adora uma mentira sincera ... e Hollywood sabe como fazer isso. Os efeitos especiais são muito bons e os zumbis são um espetáculo à parte. É impossível não traçar paralelos com as manifestações populares no Brasil e no mundo. A população cresce e não tem para todo mundo. Uma hora as hordas vão botar para quebrar ou já estão botando pra quebrar. Felizmente, ainda não no nível de apocalipse zumbi. 


Manifestação popular? Não! É passeata zumbi mesmo

Li por aí que o final seria bobo e dá margem a uma continuação. O final não é bobo, pois é totalmente compatível com a trajetória do heroi. É clichê? Claro que é, e daí? Também li por aí que a continuação já começou a ser produzida. Espero que sim porque esse é o melhor filme de zumbi que vi desde Zombieland. Mas, esse era uma comédia. Meu caçula adorou e se sentiu aliviado quando terminou, tal o grau de tensão provocado pelos zumbis tresloucados e acelerados.


Quer sobreviver? Então não deixe de ler este livro

Não dá para contar mais que isso porque senão corro o risco de estragar o prazer alheio. Portanto, se você quer ver como será o apocalipse zumbi, aprender algo útil para a sua sobrevivência, ficar bastante tenso e se divertir, o blog Café & Conversa recomenda a película Guerra Mundial Z com a cotação cinco canecas. Entretenimento para toda a família e pode assistir até depois de comer. Não tem perigo de enjoar. Veja o trailer:


quinta-feira, 4 de julho de 2013

Espresso V12 - A máquina


Com uma máquina dessa... o espresso sai expresso
Essa máquina de fazer café é para quem gosta de carro e adora um espresso. Ou seria para os adoradores de carro e que gostam de café?

Acredito que, nesse caso, a ordem seja de menos. Agora, já imaginou você acordar todo dia, e tomar café feito numa máquina de espresso, no mesmo desenho de um poderoso motor V12?

A Espresso Veloce V12 - que cedeu essa foto de divulgação - é uma homenagem a quem gosta de café encorpado e motores potentes.  Para saber mais sobre a Espresso V12, escute o podcast. É como se você estivesse ouvindo o ronco do motor, tomando um café de qualidade.

Aperte o play




quarta-feira, 3 de julho de 2013

Cafeína e legislação

Ricardo Icassatti Hermano 


Mais cedo ou mais tarde, a discussão sobre dosagem de cafeína nos produtos alimentícios e bebidas vai chegar ao Brasil também. Não por causa do nosso café, claro. Mas, por causa da cafeína sintética adicionada a produtos industrializados. 

Em 2010, a agência americana Food and Drug Administration (FDA) retirou do mercado as bebidas alcoólicas com cafeína, principalmente as de malte. Estudos indicam que a ingestão combinada de cafeína e álcool pode levar a situações de perigo e risco de vida. A cafeína tende a mascarar os estímulos sensoriais que determinam o nível de embriaguez. 

Mas, em matéria de lei, o Brasil está na frente dos Estados Unidos. Enquanto lá não é obrigatório declarar a quantidade de cafeína presente em bebidas energéticas, aqui a Resolução 273/2005 da Anvisa, estipula um teor máximo de  cafeína de 35 mg/100 ml e torna obrigatório declarar a quantidade de cafeína presente na porção do produto.


Além disso, devem constar, obrigatoriamente, na embalagem, as seguintes advertências, em destaque e em negrito:

a) Crianças, gestantes, nutrizes, idosos e portadores de enfermidades: consultar o médico antes de consumir o produto.

b) Não é recomendado o consumo com bebida alcoólica.

Não são permitidas expressões como “energético”, “estimulante”, “potencializador”, “melhora de desempenho” ou frase(s) equivalente(s), inclusive em outros idiomas.

Sempre aconselhamos moderação a nossos leitores. Qualquer coisa consumida em excesso faz mal à nossa saúde. Até água. 

Cafeína no esporte

Ricardo Icassatti Hermano - Texto
Romoaldo de Souza - Locução do podcast

Pelos poderes da cafeína. Eu tenho a força!
Cada vez mais os atletas estão descobrindo os efeitos positivos da cafeína em seus treinamentos. Mas, calma aí. Isso não pode ser considerado doping? Claro que não. Até porque a cafeína não atua diretamente sobre a performance do atleta, apenas acelera o metabolismo e ajuda na queima de gordura de forma mais rápida.

Nutricionistas recomendam que, além de uma dieta equilibrada e direcionada ao esporte, o atleta consuma duas xícaras e meia de café antes uma hora antes da atividade física. Os especialistas explicam que a cafeína mobiliza uma quantidade maior de gordura corporal e ajuda a acelerar a queima calórica. O efeito é maior para quem não consome café em excesso. 


Outra recomendação é que o atleta suspensa o consumo uma semana antes da competição, pois o café é um poderoso diurético. Com essa medida, o atleta evita uma perda de líquidos que poderia provocar desequilíbrio térmico, especialmente no caso de estar em um ambiente mais quente. Quanto ao tipo de café utilizado, os nutricionistas garantem que o melhor mesmo é o coado. A dica serve também para os malhadores de academia.

terça-feira, 2 de julho de 2013

A solução para o chulé

Ricardo Icassatti Hermano - Texto
Romoaldo de Souza - Locução do podcast

Desde que o homem passou a calçar sapatos, enfrenta um problema que parecia não ter solução. Estou falando do chulé, esse fedor criado pela ação de bactérias que se alimentam do suor e de todo material que se encontra sobre a pele. As bactérias estão presentes na epiderme, a camada superficial da pele.A umidade faz com que elas proliferem mais rapidamente.

Os microrganismos decompõem o suor excessivo.A decomposição é um processo de fermentação e libera gases mal cheirosos. Sapatos fechados, de borracha ou de plástico e meias sintéticas facilitam a produção de suor e impedem a ventilação dos pés. Para reduzir o mau cheiro provocado pelo chulé, é necessário fazer com que o suor dos pés diminua ou reduzir as bactérias que estão na região dos pés.




Mas, o pesadelo parece estar no fim. A empresa americana Ministry of Supply acaba de criar uma meia anti-chulé. O nome da meia é Atlas e este produto está sendo considerado "a revolução da meia". Daí, você me pergunta: "E o que isso tem a ver com café?". E eu respondo: "Tudo!". É que para exterminar o fedor, foi incorporada borra de café carbonizada na fibra do tecido. Já noticiamos aqui o uso da borra de café em redes de esgoto com a mesma finalidade.

Veja como a borra de café combate o chulé

A má notícia é que a meia Atlas ainda não está à venda. Por enquanto, teremos de continuar recorrendo aos talcos, sprays e aos bons e velhos sabonete e escova. Outra dica é colocar os sapatos no sol e usar meias de algodão. Evite tudo o que for sintético, especialmente a cafeína. Prefira sempre o natural.