segunda-feira, 7 de março de 2011

A Música do Dia - Always On My Mind - Michael Bublé


Romoaldo de Souza


Lendo uma discussão na internet, sobre o comentário de uma jornalista paraibana, a respeito do Carnaval, e sem querer tirar a razão de quem gosta da festa, fiquei pensando em alguns fatos marcantes, à época em que pegava meu saxofone alto, Veril, depois um Yamaha, e saia de casa, para tocar no Carnaval, por um trocados. Bem um trocadilho, tocando por uns trocados.


Não era, mesmo, pelo dinheiro. Recordo bem, que a última vez que enfrentei essa empreitada não recebi nem R$ 800. E ainda tinha um agente público perguntando se a gente assinaria um recibo num valor maior. Foi denunciado, perdeu o cargo de comissão, mas já está de volta, com a ascenção do partido dele. Essa gente se multiplica com uma facilidade impressionante.


O tempo passa (“o tempo voa”) e eis que estou nesse “retiro” mais que espiritual, ouvindo a música de que gosto, sem atentar para o play da TV e sequer dar uma espiadinha no Carnaval do Rio, de São Paulo, da Bahia ou mesmo de Recife. Como não tenho mais intenção de criar uma legião de seguidores dos meus princípios, me abstenho de dar qualquer opinião sobre Carnaval.


Até porque, certamente, no balanço que a Polícia Rodoviária Federal fizer na Quarta-feira de Cinzas, a notícia sobre os acidentes nas estradas já será essa análise. Tomara que corra tudo bem. Se bem que tem motorista que corre que é uma beleza.


Coisa simples, Romoaldo, instiga minha mente. Coisas simples era meu propósito quando comecei a ouvir Michael Bublé, cantando Always On My Mind. Pois não é que recordo de momentos interessantes que podem ser classificados como simples. Como um telefonema, um abraço, uma xícara de café. Um oi!


Pessoas importantes na sua vida, que às vezes vão sendo deixadas “nessa longa estrada da vida”, quando poderiam ser reconquistadas com um alô. Um torpedo. Dependendo da operadora, grátis.


Agora mesmo, recordei de uma professora que tive na infância. Ela insistia que eu tinha jeito para bancário. Oh, um menininho de quatro, cinco anos e a professora já sabia o que eu seria.


- Bancário, meu filho, é aquele rapaz que fica no banco, recebendo dinheiro, contando prata (moedas) atendendo as pessoas - dizia.


O único banco que eu conhecia, era o banco da praça. Não fazia a menor idéia do que minha professora falava, mas eu fui gostando da fantasia. Até que um dia a professora chegou na minha carteira - como eram chamadas as bancadas dos estudantes - e sentenciou.


- Só tem um pequeno problema. Para ser bancário você vai ter de estudar muito. Muito mesmo. Depois, nenhum banco emprega gente canhota, li isso no Cruzeiro - mostrando a regista colorida.

Danou-se. Pensei! Pronto! Lá se foi por água abaixo minha primeira profissão. Sou uma dessas minorias, uns 10% da humanidade que se apoia na esquerda. Na esquerda, a mão claro!

"Ah, é bom que você saiba que no período medieval, os canhotos eram
queimados na fogueira porque a Igreja achava que eles eram bruxos"

    Um mês depois, a professora me passou uma receita. Eu tinha de decorar a fórmula química da Cibalena, um analgésico que marcou minha infância. “Dimetilaminofenildimetilpirasolona”. Não sei para que serve, mas serviu para a professora parar de me encher a paciência e deixar de ameaçar de que eu nunca seria nada na vida, sendo canhoto.


    Então. E o que as pequenas coisas têm a ver com tudo isso? Tudo. Always On My Mind já foi cantada por muito gente: Pet Shop Boys, Willie Nelson, Elvis Presley. Mas eu preferi trazer essa versão com o canadense Michael Bublé.


    Por dois motivos. A versão de Bublé está fundamentada num impecável quarteto. Um piano, um baixo, guitarra e bateria, o que deixa a melodia harmoniosamente integrada. Preste atenção no “diálogo” da voz de Bublé com o piano. Sinta como a guitarra “arma” o momento para o baixo se sobressair. Arranjo simples, mas inconfundível!


    Bom, isso sem perder de vista esse casaco que o canadense está usando. Já copiei esse vídeo para vários amigos que estão com o passaporte carimbado para o Canadá. Eu quero um casaco desses. Tamanho G. Simples, não?



    Always On My Mind

    Wayne Thompson, Mark James & Johnny Christopher


    Maybe I didn't treat you

    Quite as good as I should have

    Maybe I didn't love you

    Quite as often as I could have

    Little things I should have said and done

    I just never took the time


    You were always on my mind

    You were always on my mind


    Tell me, tell me that your sweet love hasn't died

    Give me, give me one more chance

    To keep you satisfied, satisfied


    Maybe I didn't hold you

    All those lonely, lonely times

    And I guess I never told you

    Im so happy that you're mine

    If I make you feel second best

    Girl, Im sorry I was blind


    You were always on my mind

    You were always on my mind


    Tell me, tell me that your sweet love hasn't died

    Give me, give me one more chance

    To keep you satisfied, satisfied


    Little things I should have said and done

    I just never took the time

    You were always on my mind

    You are always on my mind

    You are always on my mind




    9 comentários:

    Mais e Mais Cafés... disse...

    Ufa! Lendo as alternativas de que duspunha, achei que fosse incluir Zezé de Carmargo & Luciano, cantando Always on My Mind em português...
    Realmente, o casaco do cantor é bonito!
    Marcante!

    Anônimo disse...

    O entendimento do que vem a ser simples é tão profundo... Mas é certo que a simplicidade e a pureza caminham lado a lado! Nos veremos!

    Romoaldo de Souza disse...

    Obrigado, "Anônimo", agora, Mais e Mais Cafés, certamente teríamos outras opções, por razões obvias, não foram lançadas, como Richard Clayderman, Willie Nelson e até o argentino Chris de Burgh

    Fernanda de Andrade disse...

    Já ouvi comentários maldosos sobre o Bublé. Já vi quem o chamasse de brega e tudo mais. Eu, particularmente, adoro. Tem um ótimo repertório, uma voz suave e uma banda que sabe valorizar as canções e versões.
    Adorei essa, que não conhecia.

    Renata Figueiredo disse...

    Bom post mais uma vez prof!
    Ainda bem que vc é canhoto e bancos não contratam an?
    Seria uma pessoa "super interessante" a menos no planeta cheio de pessoas iguais!
    An?

    Isabela Raposeiras disse...

    Michael Bublé, Romoaldo?... Esperava mais de um homem tão erudito musicalmente.
    Beijos e bons cafés!
    Isabela.

    Romoaldo de Souza disse...

    Michael Bublé, Isabela Raposeiras! Bom dia!

    Romoaldo de Souza disse...

    Michael Bublé, Isabela Raposeiras! Você prestou atenção no casaco? Bom dia!

    Fernanda disse...

    Fecho os olhos e ouço... Danço em um lindo salão, devagar e sempre sonho, Boa Romoaldo.