domingo, 22 de agosto de 2010

Os Mercenários - The Expendables


Ricardo Icassatti Hermano

Qual é a fórmula para um bom filme de ação? Muito simples. Junte alguns ícones da cultura pop americana, como motos Harley Davidson, carros Hot Rod, armamento pesado e tatuagens. Misture com um bom rock'n roll, tiros, facadas, explosões, muita, mas muita pancadaria, uma mulher bonita e um bando de ex-militares mercenários bombados. Pronto, nasceu mais um campeão de bilheteria.

É disso que o povo gosta

Foi exatamente isso que o ator, produtor, roteirista e diretor Sylvester Stallone fez com Os Mercenários (The Expendables) e mostrou que continua com um bom timing para lançar esse tipo de filme. Sim, é filme trash. Mas, é o melhor trash que o seu dinheiro pode comprar. E isso já é muita coisa. Tem gente tentando fazer "arte dramática" por aí e não consegue. Tem gente tentando empurrar propaganda vagabunda como se fosse filme biográfico do filho da ... e não consegue.

Cartaz do filmaço

Digo que Stallone tem um bom timing porque consegue perceber as inquietações do público americano, que acabam sendo as inquietações de boa parte do mundo também. Foi assim com Rocky (1976), quando os americanos estavam passando por maus bocados econômicos. Foi assim com Rambo (1982), quando os Estados Unidos estavam com o moral baixo por causa do Vietnam.

Com esses filmes, Stallone turbinou a auto-estima dos americanos e pelo menos entusiasmou milhões mundo afora. Até os afegãos adoraram Rambo III, quando lutou ao lado dos Mujahedin contra os invasores soviéticos. Neste novo filme, ele já começa despedaçando piratas da Somália. Os heróis dos seus filmes sempre se dão bem no final, mas nos "entrementes", sofrem um bocado. Essa é uma grande sacada dele.

No filme Os Mercenários, o ator-roteirista-diretor ainda vai adiante e cria a figura do "mercenário sensível". É o cara que matou muita gente ao longo da carreira e depois ficou com crise de consciência ou com a cabeça completamente fodida. Aqui, preciso abrir um parêntese para reconhecer o desempenho do ator Dolph Lundgren, que encarna um mercenário alemão (Gunter) totalmente alucinado. Surpreendente.

Gunter, o mercenário alucinado, às vezes precisa ser contido

A estória é claramente baseada em antigos filmes de cowboy e outros tantos. Um bando de mercenários se junta para ganhar dinheiro. Por algum motivo inesperado, resolvem ajudar o lado mais fraco na disputa. Neste caso, o motivo inesperado e delicioso atende pelo nome de Giselle Itié. A mexicana-brasileira foi presenteada com um bom e extenso papel.

Giselle Itié, sempre uma gata

O mérito de Stallone é ter conseguido juntar no mesmo filme os atores mais barra pesada do momento e do passado recente. Estão lá seus ex-sócios no Planet Hollywood, o governator Arnold Schwazenegger e o canastrão Bruce Willis. Ainda tem o redescoberto Mickey Rourke, o britânico Jason Statham, o chinês Jet Li, o sueco Dolph Lundgren, o americano Terry Crews e os lutadores de Vale Tudo Randy Couture e Steve Austin.

Os antigos sócios juntos de novo em encontro hilário

Os mercenários em questão são contratados para liquidar um ditadorzinho traficante de um paiséco latino americano, que se juntou a um ex-agente da CIA para traficar cocaína. Qualquer semelhança com fatos, países e pessoas reais, terá sido mera coincidência. Giselle faz a filha desse ditadorzinho, um general pilantra que lembra muito o Hugo Chavez. Talvez seja a boina no tom "vermelho bolivariano" ... A filha está contra o pai. Freud explica.

O toque de humor fica com os diálogos entre os mercenários e o avião que eles usam como transporte e disfarce, que traz na fuselagem a logomarca de uma ONG ambientalista. Sensacional : ) O resto é pura diversão, matança, explosões, porrada e tudo aquilo que a gente gosta. É uma Sessão da Tarde sanguinolenta. Entretenimento para toda a família.

Grande repertório de golpes utilizados no Vale-Tudo

O Café & Conversa assistiu o filme duas vezes, classificou como FILMAÇO e vai comprar o DVD em formato Blue Ray. Só para contrariar os nacionalistas de araque que se "revoltaram" e "xingaram muuuuito" no Twitter por causa da entrevista em que o Sylvester Stallone fez piadas com o velho costume brasileiro de babar ovo de gringo. 

A lamentar apenas que seja somente um filme. Bem que poderíamos usar uns mercenários para ... deixa pra lá. Tô meio sem paciência ... Veja o trailer.


Um comentário:

Mônica Bustamante disse...

Filme de ação não é o meu gênero, mas esse deve ser muito interessante.
O Stallone é esperto! Já criou polêmica para promover o filme.
Concordo com vc! Os brasileiros que se importam com essas coisas deixam de lado as prioridades. "Mercenários" NELES!