quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Professora sem Classe e o fim das minhas férias

Ricardo Icassatti Hermano

Minhas mais que merecidas férias chegam ao fim. Poderia ter durado mais, muito mais. Eu não acharia ruim. Aliás, estaria satisfeito e feliz se já estivesse aposentado. Coincidentemente, também esgoto a minha cota para comédias românticas neste ano com o Professora sem Classe (Bad Teacher). O que não faço pelas(os) nossas(os) leitoras(es) ...

Cartaz do filme

O que dizer desse filme? É ruim, muito ruim. Não tem roteiro, não tem direção, não tem edição, mas tem a Cameron Diaz. Apesar de não estar mais no seu auge, ela ainda bate um bolão com seu corpo bem delineado de falsa magra. E o filme parece ter sido feito apenas para isso, mostrar o corpo da atriz. 

Professora dos sonhos da molecada

O enredo, se é que podemos chamá-lo assim, é sobre como ser uma periguete bonita e gostosa não é suficiente para se dar bem na vida. É preciso ser muito mau caráter também. Pelo menos foi o que consegui apreender desse filme. Cameron Diaz faz o papel de uma professora cujo projeto de vida é conseguir um marido rico e trouxa, depois de colocar implantes de silicone nos seios. Para isso, ela não mede esforços ou consequências. 

Professora lavando carros para roubar dinheiro da caridade

Beberrona, maconheira, desbocada, mentirosa, golpista, péssima profissional, pior influência impossível. Assim mesmo, o filme faz dela uma "heroína". Toda pilantragem lhe é perdoada. Punição pelos vários crimes que comete, nem pensar. Parece até o caso de uma deputada que pegou maços de dinheiro oriundo da corrupção. Mas, sem um pingo da beleza da Cameron Diaz, claro. 

Igualzinho ao posto de gasolina aqui perto ...

O nome em inglês, Bad Teacher, deve pretender traçar um paralelo com outro tipo de comédia que esculhamba com alguma personagem costumeiramente mais bem tratada em filmes. É o caso, por exemplo, do Bad Santa (Papai Noel às Avessas - 2003), em que Billy Bob Thornton faz um Papai Noel de shopping bêbado, ladrão e absolutamente desvairado. Mas, essa é uma senhora comédia produzida pelos irmãos Coen e não tem nada a ver com a outra. 

Bad Santa, comédia imperdível

Comédias românticas seguem um padrão consagrado, mostrando como o romance pode ser engraçado. No fim, sempre há uma lição moral que valoriza o amor e valores superiores, positivos. Neste filme não. Sequer uma risada conseguiram arrancar de mim. Resolveram inovar e insinuaram que ser pilantra é legal, é bom e vale a pena. Não deixem suas filhas assistirem esse filme. Eu queria ter uma filha, mas graças ao Bom Deus só tive filhos ...

Isso é um lava-rápido bacana

Outro ponto ruim do filme é que o cantor Justin Timberlake (não é a marca de botas) continua achando que consegue atuar. Até os figurantes atuaram melhor. Alguém precisa tomar coragem e contar que ele jamais será um ator. Vai evitar muito constrangimento. Ou não. Vai ver ele é tão cara de pau que não está nem aí. 

Dá até pena do Justin Bieber, digo, Timberlake

Não sei se é coincidência ou ironia do destino, mas o Justin Timberlake há 20 anos foi o Justin Bieber de hoje. Não é atoa que os dois têm o mesmo primeiro nome. Deve ser alguma espécie de maldição, porque o Bieber também já está achando que é ator ... Deveria haver alguma proibição para isso. Cadeira elétrica seria ótimo. 

Que saudade da professorinha ...

Não gastem seu suado dinheiro com essa porcaria. A menos que seu intuito seja apenas checar a boa forma da Cameron Diaz. Mas, para isso nem precisa ir ao cinema. Basta ver as fotos na internet ou baixar o filme. Por dever de ofício, assista o trailer.


Café com doce de leite da Argentina

Romoaldo de Souza 

A leitora Carolina Pires aproveitou que está mais barato viajar para a Argentina do que fazer viagens para dentro do Brasil e foi passar o fim de semana em Buenos Aires.

Antes de viajar, ela perguntou o que eu queria que trouxesse. Pedi um pote de doce de leite. Sim, eu não sei se você sabe, mas o doce de leite argentino está entre os melhores do mundo.

Lá, os criadores de gado acompanham todo o processo. Onde a vaca come, o que come, como dorme e a maneira adequada para ordenha no dia seguinte.

Pois não é que chegou ontem à noite, um pote de meio quilo de doce de leite e antes de mais nada, eu preparei um café forte, do Cerrado de Minas Gerais, de onde vem café ligeiramente ácido para fazer a combinação perfeita. Café de Minas com doce de leite argentino.

Eu peguei uma quantidade de doce de leite, para três de café. O importante é você colocar o café sobre o doce de leite e mexer suavemente. Calmamente, para nenhum dos dois produtos, nem o café, nem o doce de leite, perderem suas características.

Pronto. Não chega a ser uma invenção, mas temos uma receita de doce de leite com café que poderemos chamar de Café Portenho. Se você preferir, pode colocar uma xícara de Amaretto.


Um abraço, bom café!

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Café com capim santo

Romoaldo de Souza


Pegando um café suave e misturando com folhas de capim santo, é possível chegar a uma bebida aromatizada, sem produtos químicos e com a harmonia da acidez do café e a doçura da planta, também conhecida como capim cidreira ou capim limão.


Eu tenho recomendado a quem quer comprar café aromatizado, como os indianos que costumam colocar cravo e canela ou, ainda, aqueles colombianos que vêm misturados com baunilha, que a melhor alternativa é encontrar um sabor balanceado. A experiência de juntar café com capim santo bem que deixou o drink bastante diferente.


Perceba que mesmo sendo suave, o café que você usa tem uma certa dose de cafeína e as folhas do capim santo vão causar um efeito bastante moderado, marcante, praticamente anulando a agressividade do café.


Para cada xícara de 100ml de café, eu recomendo uma pequena folha de capim santo. Agora, se você tiver um tempinho a mais, faça uma infusão. Deixe o capim santo ficar 15 minutos dentro de uma xícara de água quente. Em seguida, despeje no recipiente com café. Diga-me depois como ficou.




Um abraço e bom café!

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Amor a Toda Prova (Crazy, Stupid, Love)

Ricardo Icassatti Hermano

É ... férias provocam essas situações. Eu fui assistir uma comédia romântica. São os sacrifícios inerentes a quem quer criticar filmes. Sacrifícios que prazerosamente faço em nome das(os) leitoras(es) do Café & Conversa. Por isso, não dá para escolher muito. 

Claro que não vou assistir baboseiras como Assalto ao Banco Central e Cilada.com. Eu sei o quanto me custa ganhar o meu dinheiro. No caso do Amor a Toda Prova (Crazy, Stupid, Love), confesso que fui atraído mais pelo peso do elenco do que pela história: Steve Carell, Julianne Moore e Emma Stone

Cartaz do filme

O enredo é bem manjado. Um sujeito de meia idade e casado se divorcia. Em seguida, começa uma saga para reentrar no mundo dos solteiros pegadores, enquanto que um solteiro pegador passa para o mundo do comprometimento. Nos dois casos e nas várias situações paralelas, o amor está em julgamento. É bom? É ruim? É uma enganação? Existe mesmo? É uma ilusão patética?

O pegador Jacob ensina todos os truques ao divorciado Cal

O grande problema do amor é que ninguém sabe o que é esse sentimento. Não se aprende na escola, nos livros ou na tevê. Amor só se aprende amando, vivendo a experiência. Mas, - e sempre há um mas - o amor precisa de um determinado ambiente para existir e prosperar. É preciso honestidade para que um acredite que o que o outro diz e faz é sincero e verdadeiro.

Mentiras detonam qualquer relação ...

O filme trata justamente desse delicado ambiente onde a mentira sempre causa enormes estragos. Porque quando o amor existe, as falhas são esperadas, entendidas e podem ser perdoadas. Mas, a mentira é desonesta, corrosiva, destruidora para qualquer tipo de relação. 

... mas, quem encontra sua alma gêmea, quer manter para sempre

Sem o ambiente adequado para que se possa acreditar no amor, ele simplesmente deixa de existir. Mas, se o amor realmente existe, nada o impedirá de avançar. 

O elenco estelar dá um show de interpretação e faz a diferença em relação às demais comédias românticas que brotam por aí. Além dos já citados, ainda temos Ryan Gosling no papel do solteirão pegador, e aparições rápidas de Kevin Bacon e Marisa Tomei. O filme me arrancou boas gargalhadas, pois já vi algumas daquelas situações, homens divorciados querendo voltar a se posicionar no mercado dos solteiros.  Até já ajudei alguns amigos. Realmente é muito engraçado.

Elenco sensacional

No filme, um solteiro convicto ensina o divorciado a ser pegador. Mas, há uma reviravolta. O solteirão conhece o amor e não se reconhece mais. O divorciado descobre que o amor é ... é melhor parar por aqui e você ir assistir o filme. Vale a pena.

O destaque fica para a bela atriz Emma Stone, que acompanho desde o engraçadíssimo Zumbilândia. Além dos demais atributos, os olhos dessa moça são alguma coisa de fabulosos, felinos. Devem fazer um sucesso danado no Japão, pois os japoneses têm verdadeira obsessão por olhos grandes. Vejam os mangás e animações. 

Diz aí, estou certo ou não?

O Café & Conversa viu, gostou e recomenda. Assista o trailer.


Planeta dos Macacos - A revolta dos bichos

Ricardo Icassatti Hermano

Ninguém gosta de ser escravo. Nem mesmo os macacos. Ninguém gosta de ser submetido a abusos, especialmente quando o abusador não aguenta um tapa, mas covardemente se vale de uma situação de poder para abusar. Nem mesmo os macacos gostam disso. Uma hora a coisa explode e o abusador paga caro.

O ser humano é abusado. Principalmente quando não aguenta um tapa. Aí então, faz de tudo para alcançar posição de poder para cometer seus abusos. Para isso, faz qualquer negócio porque é venal, traiçoeiro, puxa-saco, desvertebrado e desprovido de qualquer amor próprio, altruísmo, hombridade, autocensura e autocrítica.

Ontem, fui almoçar com os filhotes e assistir o recém lançado Planeta dos Macacos: A Origem. Assisti o primeiro (1968), o restante da trilogia, o seriado e um remake do original (2001) dirigido por Tim Burton. Sou fã da história porque retrata exatamente a relação de abuso de humanos em relação aos animais usados como cobaias de experiências científicas. 

Cartaz do filme (2011)

Cartaz do filme de 2001

Cartaz do filme de 1968

Também mostra o dramático resultado disso quando o animal, no caso um chimpanzé, consegue transcender a sua condição e, agindo como humano, se vale da força descomunal que possui e da inteligência que desenvolveu para destruir o abusador. O truque do filme é promover uma evolução relâmpago desse chimpanzé através da engenharia genética.

Resolvi que isso é pessoal. E agora?
O abusado aí vai fazer o que?

O cinema não estava cheio, mas era uma sala XD com assentos marcados no momento da compra do ingresso. E como tem gente abusada nesse mundo! Apesar de ter escolhido o assento com antecedência, alguns espertalhões resolvem sentar em outro lugar e ficar esperando para ver se alguém reclama. Um deles, um obeso abusado, ainda disse para a sua companhia que, com a sorte que tinha, iria aparecer um "enjoado" dizendo que aquela cadeira era dele.

Aê macacada!!! O bicho vai pegar!!!

E apareceu. E o gordo teve que se mudar com a sua companhia. E se encrencasse com o dono do lugar, eu iria me meter. E seria uma confusão danada, porque além de me meter, eu iria meter a mão ... deixa pra lá. Eu não entendo esse tipo de gente. E ainda tem mulher que sai com esses babacas. Porque outro casal na mesma fileira estava tentando aplicar o mesmo golpe. Nessas horas, as mulheres ficam caladas e os babacas, well, ficam com cara de babacas.

César é o grande astro do filme e é completamente digital

Na história original, astronautas viajam acidentalmente no tempo e aterrisam no que eles acreditam ser o planeta Terra. Mas, logo descobrem que naquele planeta houve uma evolução diferente. Os humanos permaneceram selvagens enquanto que os macacos se tornaram inteligentes. Obviamente presumem que chegaram em outro planeta, o Planeta dos Macacos

No primeiro filme, o planeta era dos macacos, mas tinha
humana selvagem, modelo, manequim, atriz muito gostosa

O filme causou grande furor na época, não apenas pela história extravagante, mas pela maquiagem utilizada nos atores que interpretaram chimpanzés, orangotangos e gorilas. Naquela época não existiam as facilidades digitais e os maquiadores faziam milagres. Foi um assombro. Depois, fizeram até um seriado de tevê, que eu não perdia de jeito nenhum.

Outra cena que causou furor em 1968, foi essa beijoca interacial

É justamente nos efeitos computadorizados que essa nova versão dá um show. O filme se concentra no início de tudo. No filme original, o astronauta interpretado por Charlton Heston só descobria - e nós também - que estava no planeta Terra na última cena, quando vê a Estátua da Liberdade semi enterrada na areia da praia. Pessoas gritavam e saiam arrasadas do cinema.

A cena que chocava as pessoas no cinema

Este novo filme mostra como se deu o princípio da involução da raça humana e a ascenção dos macacos ao posto de senhores da Terra. E a culpa é sempre da ganância desenfreada de gente abusada. Também tem um cientista meio tolinho (James Franco) que vai deixando as coisas acontecerem na tentativa de salvar seu pai de uma doença incurável.

"Esse micro lote da Ernesto Cafés Especiais é realmente sensacional"
Isso é um macaco evoluído

O toque bacana fica por conta de uma cena em que o jornal atirado na porta de uma casa traz a manchete do desaparecimento da espaçonave que se dirigia a Marte. Vamos ter continuação : ) A namorada do cientista tolinho é uma veterinária, claro, e dá um caldo. Planeta dos Macacos: A Origem é um filmaço. Recomendamos com a cotação máxima de quatro bananas. Diversão garantida para toda a família.

Cafeteira caseira

Romoaldo de Souza

Adauto Cunha do site Boi Voador disse que o pessoal do escritório anda pensando em comprar uma cafeteira e está pedindo uma sugestão.

O Café & Conversa sempre recomenda soluções práticas e adequadas ao bolso e aos interesses do ouvinte, aqui na CBN Recife.

Uma sugestão barata e que vai dar qualidade ao seu café coado é ter no escritório uma french press, cafeteira que já vem com coador próprio, é fácil de manusear e o seu café vai ficar impecável, além de ser de baixo custo. Com R$50, ou menos, você compra uma cafeteria dessas chamadas "prensa francesa". E aí, é só seguir algumas instruções básicas.

Não deixar ferver a água, comprar grão moído para french press e coar o café na hora certa. Pronto. Em dez minutos você tem aí cinco, dez cafezinhos deliciosos. Sem erro.

Aqui no blog tem uma filmezinho que eu fiz com Ricardo, contando a história da cafeteira, como a conheci, no deserto africano na Mauritânia, e ensinando a preparar um café gostoso, em casa ou no escritório. Eu já fiz até no Rally dos Sertões. Fácil, fácil.


Um abraço e bom café!

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Ernesto Cafés Especiais - Boas memórias e simpatia sincera

Ricardo Icassatti Hermano

Memórias são uma coisa espetacular. Elas nos fazem viajar no tempo e podem nos encher de alegria ou tristeza. Eu prefiro aquelas que me enchem de alegria. Os pais deveriam se concentrar mais nisso, criar boas memórias para seus filhos, porque elas serão o parâmetro de felicidade e um porto seguro confortável nos momentos de dificuldade.

O Romoaldo abordou o assunto há poucos dias, com grande repercussão entre nossos leitores: as lembranças que um simples cafezinho pode nos trazer. E estão sempre relacionadas à infância, ao carinho das mães, tias e avós, o cheiro do café, dos biscoitos e bolos feitos na hora, o ambiente acolhedor das cozinhas e os lanches no final da tarde.

Foi esse tipo de lembrança que levou a professora com Mestrado e Doutorado em História, Juliana Pedro, a abandonar o magistério para se dedicar em tempo integral ao amor pelo café. Para nossa sorte e prazer, ela fez cursos, acumulou conhecimento, aprendeu muito e abriu há pouco mais de um mês a Ernesto Cafés Especiais, ali na CLS 115 Bloco C Loja 14, Fone: 3345-4182. 

Justa homenagem ao armazém do "Seu Ernesto"

O nome foi escolhido justamente pela lembrança que Juliana guarda com especial afeto desde a infância em Anápolis (GO), quando sua avó lhe pedia que fosse comprar um pouco de café no armazém do "Seu Ernesto". Ela me contou que voltava para casa com a cara enterrada no pacote, cheirando aquele pó (êpa!) de café recém-moído e ainda quentinho. 

Detalhes belos, preciosos e delicados

Ainda criança, ela teve a felicidade de aprender o quanto o café é agregador, como azeita as conversas interessantes, conforta corpos e mentes cansados, aproxima as pessoas, aperta laços, espalha bons sentimentos e eleva os espíritos.

O Café & Conversa foi conhecer a nova cafeteria a convite da nossa leitora-fã de Batatais, Thays Martins de Oliveira, que também é dona do blog Cheirinho de Café. Mas, como toda mulher, nos fez esperar várias horas. O que não foi de todo ruim. Absolutamente. Enquanto aguardávamos, a Juliana nos recepcionou com extrema gentileza e simpatia genuína, nos contou suas belas memórias e nos preparou delícias. Nos sentimos em casa.

Juliana se preparando para pilotar a sua Ferrari La Marzocco

Juliana nos apresentou ao café da casa - um blend de Icatú Amarelo bastante encorpado, acidez pronunciada ao final e doçura no retrogosto - e a outro que chama simplesmente de "micro lote", cheio de história. São apenas duas sacas de uma safra já inteiramente vendida para uma torrefadora japonesa. Ela me contou que ficou horas convencendo o produtor a lhe vender, apelando inclusive para as lágrimas. Deu certo : ) Poucos homens resistem ao choro de uma mulher bonita.

Fala sério ... só um sujeito muito mau não se
comoveria com as lágrimas da Juliana

Sorte nossa, porque o "micro lote", um blend de Bourbon Amarelo e Vermelho, é simplesmente delicioso, aveludado, acidez no ponto, doce ao final e sabor de longa permanência. Já ficamos fãs. Pena que tem pouco, mas a Juliana garante que na próxima safra terá sua cota garantida. Lágrimas irresistíveis ... Ela também nos brindou com a degustação de um belo café jamaicano, o Blue Mountain, plantado em solo vulcânico e sabor acentuadamente mineral.

Manja só a cara do negão jamaicano

Os dois blends são provenientes do Sul de Minas Gerais, sendo que o blend da casa veio da Fazenda Diamantina, em São Sebastião do Paraíso, e o micro lote veio da Fazenda Passeio, em Monte Belo

A Ernesto Cafés Especiais tem um quê de armazém no espaço amplo, iluminado, na madeira envelhecida que cobre o assoalho e as paredes do balcão, onde reina absoluta a La Marzocco vermelha e nervosa como uma Ferrari. Ocupando espaço nobre na vitrine, um belíssimo forno alemão Probat atrai os olhares curiosos dos transeuntes. 

Esse forno ainda vai nos proporcionar muitas alegrias

Sim, a Juliana vai começar a torrar seu próprio café e promete sempre brindar sua clientela com as descobertas que fizer em suas incursões de coffee hunter pelas muitas regiões cafeeiras do Brasil. Mas, imaginem quando aquele pequeno forno começar a pipocar grãos de cafés especiais e exalar o perfume inconfundível na rua. Vai ser um Deus nos acuda! O povo vai invadir a cafeteria salivando.

A linha de chás "The Gourmet Tea", lá de são Paulo,
também está fazendo sucesso

O cardápio bem balanceado traz sanduíches bem nutridos, quiches, tortas, saladas e doces como o tradicional Bolo de Fubá com Erva Doce. Também tem Cream Cheese de Goiabada (minha perdição) e várias outras guloseimas, incluindo um Brigadeiro que já foi apelidado pela clientela de "Marechal". O capricho nos detalhes chega até às marcas de água mineral: Panna, Perrier e San Pellegrino.

Eu sou o Cream Cheese de Goiabada,
mas pode me chamar de Perdição!

O ambiente, ou seria melhor dizer, os ambientes são de uma elegância desconcertante, sem deixar de ser aconchegantes. É o caso das duas poltronas de couro para quem deseja se largar. Além disso, há mesas de vários tamanhos e uma pequena área ao ar livre, um quintal de casa de vó sombreado por uma enorme mangueira. O local é um verdadeiro achado.

Vejam esse "quintal" sombreado pela enorme mangueira

A música agradou bastante, pois é ancorada no bom Jazz. A cafeteria ainda dispõe de ampla ventilação cruzada, mas tem ar condicionado também, e conta com poderoso WI-FI. O pessoal está treinadíssimo e atende muito bem, com presteza, gentileza e munido de todas as informações essenciais para quem aprecia um bom café. 

Romoaldo se aboletou na poltrona e avisou:
"Daqui ninguém me tira!"

Saímos satisfeitos e impressionados. Especialmente quando Juliana nos confidenciou que buscou muita informação e inspiração neste blog que vos fala : ) Para nós, sempre é emocionante sabermos que, de alguma maneira, ajudamos pessoas a realizarem seus projetos de cafeteria. Não é a primeira vez.

Isso é puro ZEN ...

Por tudo isso e muito mais, recomendamos a Ernesto Cafés Especiais para quem, como nós, entende que uma boa cafeteria é o lugar onde desaceleramos o corpo e aceleramos a mente. E que tomar um bom café equivale a ganhar uma lambida na alma. 

Como bem diz o Romoaldo todas as manhãs, de segunda a sexta-feira, em nosso quadro na CBN Recife e, em seguida, aqui no podcast: Um abraço e bom café!

Café com cajuína

Romoaldo de Souza

No 6º Campeonato Regional de Barista, Etapa Centro-Oeste, Pedro Gabriel ficou em segundo lugar e no drink de assinatura, um dos três itens avaliados – os outros dois são o espresso e o cappuccino – o Barista do Café Cristina deu nome à bebida de “Luz”, em homenagem à filha.

“Bom, amigos do Café & Conversa, ai vão os ingredientes da minha bebida de assinatura do Campeonato Regional de Barista 2011. Eu me inspirei na qualidade e nas características do meu blend e todas as propriedades de corpo e acidez que o Sul de Minas consegue manter em evidência e trazer para nossas xícaras! 

O Campeonato Nacional é sempre uma surpresa magnífica com muita disputa e técnica!!

Sempre tive a expectativa de ficar entre os dez colocados. Obrigado pela atenção e disponha!"

Receita
 
- Uma redução com a fruta phisalis e em vez de água e açúcar, para reduzir a fruta a um syrup ou uma geléia, eu utilizei cajuína que é uma bebida refrescante do Nordeste, feita com caju bem maduro. Adicionado os ingredientes deixo reduzir bastante.

O chocolate ao leite derretido em banho maria (calda) e um shot de espresso (curto).

Preparo:
- calda de chocolate no fundo da taça
- 1 shot de espresso
- calda de phisalis e cajuína finalizando a bebida



Um abraço e bom café!

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Regulamentação da Profissão de Barista


Retomando o tema da regulamentação da profissão de barista, vamos passar a informar regularmente os passos que o projeto de lei, de autoria do ex-senador Gerson Camata (PMDB-ES), está dando dentro do Congresso Nacional. 

Como se trata de um projeto de lei, é preciso que seja analisado e votado pelas duas Casas, o Senado Federal e a Câmara dos Deputados. O projeto já foi aprovado no Senado e seguiu para a Câmara, onde também foi aprovado o parecer do relator, deputado Walney Rocha (PTB-RJ), pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público (CTASP). 

O parecer foi publicado no Diário da Câmara dos Deputados de 22/06/11, Letra A. Na Câmara, a única alteração foi a redução do prazo de comprovação do efetivo exercício da profissão, que passou de dois anos para um ano, contados à data da publicação da lei. 

Conheça o texto final aprovado no Senado: http://www.senado.gov.br/atividade/materia/getPDF.asp?t=84920&tp=1

Depois que o ex-senador Gerson Camata decidiu não concorrer mais às eleições, o projeto parou na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado. Mas, com a valiosa ajuda do ex-senador Renato Casagrande (PSB-ES), que foi o relator da matéria e hoje é o governador do Espírito Santo, o Café & Conversa trabalhou para que tramitasse e fosse votado. 

Na Câmara, conseguimos apoios importantes, como o do deputado Wellington "Lelo" Coimbra (PMDB-ES), que ajudaram a acelerar o processo. Com a regulamentação, os Baristas poderão se organizar, criar um sindicato e estabelecer um piso salarial para o profissional. 

Também será possível criar um currículo escolar padronizado para os cursos. Nós, consumidores de bons café, poderemos ter a garantia de um bom serviço de barista nas cafeterias e o Brasil vai avançando na cultura do café.


Um abraço e bom café!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Café com açúcar mascavo


Novamente, vamos falar sobre adoçar ou não o seu café! João Wagner, um amigo do Sul de Minas Gerais, que já rodou o mundo todo, disse que desde criança tem o costume de tomar café com açúcar, de preferência açúcar mascavo, para não perder o sabor original que o acompanha por esses anos todos.

Quando a gente está aprendendo sobre os aromas do café, quase sempre somos remetidos a um cheiro, de que tomamos conhecimento na infância. E esses aromas, seguem nos acompanhando pelo resto da vida. Vira e mexe, e aquele cheiro vem, trazendo junto a lembrança da infância.

Assim como acontece com João Wagner, de guardar na memória do olfato, o cheiro de café com açúcar mascavo, pode ser que suas recordações também lembrem aromas que você faz questão de recordar.

A minha referência era tomar café torrado com rapadura, no interior de Pernambuco, para já economizar no açúcar. É claro, que o café a que fui apresentado anos atrás, ainda na infância, nem de longe se assemelha com os cafés dos bons. Café de grife como são conhecidos esses cafés especiais.

E se no passado, meu e do amigo João Wagner – e certamente de muita gente – tomava café com açúcar, ou com rapadura, para compensar os defeitos que os cafés tinham, hoje em dia, com tanto café bom não vejo motivo para continuar tomando café adoçado.

Deixe que o café apresente ao seu paladar todos os aromas e os sabores que detém. Agora mesmo, chegou um café do Panamá, bem ali, na América Central, que tem um marcante aroma de morango. Outros lembram, lima, melaço de cana-de-açúcar, chocolate.

Deixe o seu café mostrar que gosto tem.

<embed src="http://www.4shared.com/embed/751567042/962b308b" width="420" height="250" allowfullscreen="true" allowscriptaccess="always">embed>

Um abraço e bom café!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Barista, uma profissão de futuro


Alessandro Sousa mora em Olinda, e recentemente, esteve em viagem ao exterior, quando ficou abismado com baristas franceses dando informações sobre o café brasileiro, dizendo onde era plantado, como se dava o cultivo e que combinações poderiam ser feitas.

- Em Recife, raramente a gente escuta informações como essas - diz o ouvinte.

Organizações não governamentais, como a associação que reúne o setor da produção de café, Abic (Associação Brasileira da Indústria de Café) estão se esmerando para levar ao consumidor informações e produtos de qualidade.

Mas como em qualquer setor produtivo no país, os empresários estão esbarrando na falta de mão-de-obra qualificada. Não faz muito tempo, era uma dificuldade encontrar quem quisesse ir para as fazendas trabalhar em todo o processo da colheita. Hoje, ainda não é tradição as cafeterias terem um barista para atender clientes exigentes.

Na cidade, há a carência de profissionais que conheçam a história do café, que saibam fazer harmonização de um determinado tipo de grão com uma bebida, formando um drink, como o que apresentamos ontem na CBN Recife.

Em muitas cidades do país, viu Alessando, incluindo Recife, já estão aparecendo escolas para formação de baristas e quando eu digo formação, não estou me referindo somente a treinamento não. É qualificação profissional com experiência e bons salários.


Querendo saber mais onde encontrar essas escolas e como treinar pessoal para prestar um serviço de qualidade, dê uma vasculhada na página do Café & Conversa.

Um abraço e bom café!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

A Árvore da Vida

Ricardo Icassatti Hermano

O que acontece quando um diretor americano de cinema resolve fazer um filme como se fosse um diretor europeu? Um filme chato "bragarai" ... Foi o que o diretor Terrence Malick fez com o Palma de Ouro em Cannes, "A Árvore da Vida", cujo único mérito é trazer no elenco Brad Pitt, Sean Penn e a beleza feminina perturbadora de Jessica Chastain

Cartaz do filme

Fora isso, o filme é uma pretenciosa e demasiadamente longa colagem aleatória de imagens - muitas delas retiradas de documentários televisivos - com uso abusivo de metáforas e metalinguagem na esperança de produzir algum estado para-emocional na plateia, que a leve a preencher os vazios narrativos. O que Malick consegue é apenas tédio, sono e chatice. 

Elenco estelar com essa moça linda, que espero ver em outros filmes

O próprio Sean Penn criticou o diretor numa entrevista, dizendo que não sabe ainda qual foi o seu papel na história, considerando-o, inclusive, desnecessário. Sou obrigado a concordar com o ator. Para quem quer posar de intelectual francês, mas não entendeu porra nenhuma do filme, basta dizer que o diretor é genial e aplaudir ao final, como vi alguns palhaços fazendo no cinema.

Por que motivo uma mulher iria assistir um filme como esse?

Também fiquei surpreso com a quantidade de gente que deixou a sala de cinema no meio do filme. Com uma pseudo-psicologia de almanaque, Malick sugere aqui e ali coisas como podolatria, complexo de édipo, sociopatia e outros que tais. Também parece ter tentado abordar o sofrimento que é o amadurecimento de um menino. 

Os meninos do elenco fizeram bem o papel de meninos

Para mim, o que pareceu ter alguma lógica foi a rigidez militar que o pai impõe na educação dos filhos, com hierarquia e tudo o mais. Enquanto que a mãe representa a liberalidade, a emoção e a sexualidade. Essa mistura cria um monte de ressentimento, que lota consultórios de psicanálise anos depois. Foi a única coisa que me pareceu fazer algum sentido. 

Pseudo-psicologia para criar triângulo edipiano

Há quem ache que ele falou de religião, porque a família retratada é do interior do Texas e profundamente religiosa. Mas, a abordagem é mais supra-religiosa e Malick até tentou imaginar a criação lisérgica do universo, do planeta Terra e da humanidade, com imagens de documentários da National Geographic. Usou até dinossauros de computação gráfica.

Abordagem supra-religiosa da espiritualidade ... eu acho ...

Meu filho Xanxão e eu saímos chateados do filme porque esperávamos mais. Não gaste seu dinheiro com "A Árvore da Vida", que é o nome dado ao principal diagrama de estudo da Cabala, simbolizando uma chave para a compreensão dos fatos e das verdades. O que vale a pena mesmo é a beleza estonteante da atriz Jessica Chastain.

Pense numa mulher que não precisa de maquiagem
para ser e estar linda. Pois é ...

Eu não recomendo, mas é claro que você pode querer assistir esse filme. Afinal, você pode estar achando que ainda não tem tédio suficiente em sua vida. Veja o trailer, que é completamente enganador, como todo bom trailer deve ser.


Café, hibisco e tamarindo

Romoaldo de Souza

Na semana passada, eu estive participando como juiz de um campeonato de baristas, que são esses artistas das boas cafeterias, especializados em preparar um café de linha. Um café especial, como poucos.

Cheguei a tomar mais de 30 cafés, nos dois dias, cada um melhor que outro. Foram servidos, ainda, diferentes drinks. Um deles, foi preparada por Thamy Bruno a barista campeã deste ano.

La Vie, como é chamada a bebida de assinatura, leva flores de hibisco, desidratado; água e açúcar refinado e tamarindo.

O modo de preparar é um pouco mais delicado, porque você precisa deixar o hibisco na infusão, mas Thamy dá todos os detalhes, a seguir.

Ao mesmo tempo, você vai preparando umas iscas de tamarindo, como se fosse um pirulito.

Em seguida você vai pincelando uma taça com a geléia de hibisco, até que fique totalmente revestida da geléia.

Adicione na taça, uma xícara de café forte para dissolver o hibisco das paredes do copo e o pirulito de tamarindo.

Thamy Bruno conta que a expectativa é grande para quando chegar outubro e for participar da etapa nacional, em São Paulo.

- Bom, o simples fato de poder competir com os melhores baristas do país é uma grande honra. O que espero do campeonato nacional é fazer uma boa apresentação, reter o máximo de aprendizado e me divertir muito com tudo isso - destaca a barista campeã!

Sucesso, Thamy!


Um abraço e bom café!

La Vie

1) Geléia de Hibisco: 

  • 100g de  flores de hibisco desidratado;
  • 250ml de água;
  • 50g de açúcar refinado.

Modo de preparar

1ª Etapa:
Infusão das 100 gramas de hibisco em 200ml de água, e esperar até reduzir pra 100ml.

2ª Etapa:
Coar as flores de hibisco, e adicionar o açúcar e o restante da água. Levar ao fogo baixo, até o açúcar dissolver e ficar no ponto de geléia.

Isca de Tamarindo Caramelizado

180g de polpa de tamarindo
Água e açúcar a gosto

Modo de preparar

Levar a polpa de tamarindo ao fogo baixo adicionando aos poucos a água e o açúcar até reduzir e ficar no ponto de bala.
Esperar esfriar e moldar nos palitos mexedores.

Montagem

Pincelar as taças com a geléia de hibisco, colocar a isca dentro da taça e adicionar um espresso curto.

Mexer até que a isca seja parcialmente dissolvida, adoçando a bebida.

Espero que gostem! 

Thamy Bruno