terça-feira, 2 de agosto de 2011

Morte na Esplanada - Capítulo 18

Ricardo Icassatti Hermano

Agora, a minha, a sua, a nossa Blog-Novela está parecendo uma roda de capoeira. É pernada pra todo lado. O delegado Alexandre Dantas resolveu partir pra cima com tudo. Afinal, se a pancadaria é na base do vale-tudo, não dá para ficar observando cada filigrana da lei quando se está lidando com criminosos sociopatas. Ou então ele se tornará um forte candidato a presunto.

Como resolveu entrar no jogo, o delegado topou jantar com a jornalista Mércia Trancoso. Ele já havia previsto o que aconteceria e preparou uma armadilha para a profissional de imprensa. Ela estava prestes a instalar um "Cavalo de Tróia" em seu próprio computador, que permitiria aos investigadores saber tudo o que ela guardava, escrevia, pesquisava e com quem se correspondia.

Alexandre chegou a uma "encruzilhada" em seu caminho na vida. A vida é o somatório das nossas escolhas. O delegado passou por muita coisa, viu outras tantas, conheceu gente que ele nem imaginava existir. Boa ou ruim, ele fez sua escolha. No final, essas classificações não terão qualquer importância ou significado. No final, é tudo aprendizado.

Mas, você já deve estar doida(o) para saber o que vai acontecer neste capítulo. Calce suas meias, vista seu pijama, prepare sua caneca, agarre-se ao seu ursinho de pelúcia ou à sua boneca inflável, ligue o som do computador, apague as luzes, aperte o play aí embaixo e estremeça com mais um capítulo da "Morte na Esplanada".


Morte na Esplanada

Capítulo 18

A equipe de investigadores estava reunida no apartamento de Alexandre. O agente Gabriel mostraria o que conseguiu apurar com o "Cavalo de Tróia" instalado no computador da repórter Mércia Trancoso.

- E então Gabriel? Conseguiu alguma coisa? - perguntou Alexandre.

- Muita coisa ... mais do que imaginam. Vocês vão ficar surpresos.

- Ôba! Finalmente vamos ter alguma ação por aqui - disse Pablo.

- Está na hora de devolvermos algumas porradas - disse Rômulo.

- Você tem toda razão, Rômulo. Chega de apanhar calado. Vamos à forra! - disse Alexandre.

- A Mércia até que tentou esconder as informações. Mas, quando ela foi arquivar os vídeos que você deu naquele pendrive, descobri que ela usa um servidor que aluga espaço para armazenamento. Ela toma o cuidado de não deixar nada arquivado no computador.

- E como vamos ter acesso a esses arquivos armazenados em um servidor? - perguntou Pablo.

- O "Cavalo de Tróia" que estava no pendrive e foi instalado no computador, gravou a senha que ela usa no servidor. Assim, tive acesso a tudo, entrei lá e baixei para nós.

- Eu não disse? Esse menino é um gênio! - falou Alexandre.

- Mas, o melhor foi o que eu encontrei. Cara, essa gente é foda. Ninguém confia em ninguém e todo mundo quer passar a perna nos outros.

- Explica isso aí - pediu Rômulo.

Gabriel então mostrou cópias de documentos, gravações de áudio e vídeo feitas pela própria Mércia. Especialmente telefonemas entre ela e a ministra e entre ela e o ex-presidente de banco Dometien Salaun Klein, o famigerado DSK.

- Agora é que vocês vão cair de costas mesmo - avisou Gabriel.

- O que você descobriu? - perguntou Rômulo.

- A Mércia não só conhecia como estava de caso com o Dometien.

- Não sacaneia ... - espantou-se Pablo.

- Ela também gravou vídeos transando com ele. Mas, o melhor são as gravações das conversas entre os dois. Eles estavam planejando passar a perna na Sueli. 

- Passar a perna? Em que? Como? - perguntou Alexandre.

- Na comissão sobre a venda dos caças franceses. 

- Bem que o Padre Avellar me disse. Como é que esses caras sabem dessas coisas e nós, a Polícia, não sabemos de nada? Precisamos ler mais jornal ...

- Mas, agora estamos sabendo. Tem uma conversa dos dois que é bem esclarecedora. Segundo o Dometien, houve uma grande fraude na licitação dos caças. Envolve os dois presidentes, parlamentares daqui e da França, ministros e o escambau. Mas, o Dometien disse também que a comissão para essa venda é de um bilhão de euros. Então, tinha dinheiro de corrupção para todo mundo. Como ele é um expert em transações bancárias internacionais, conseguiu que o financiamento fosse realizado pelo banco de fomento que ele presidia.

- Mas esses bancos não são para financiar projetos no terceiro mundo de saúde, habitação, saneamento, essas coisas? - questionou Rômulo.

- São, mas ele deu um jeito, não sei como, mas deu. 

- O Padre Avellar me contou que o Dometien dava treinamento em Cuba sobre operações financeiras para as guerrilhas. 

- Mas, o grande lance era a comissão de um bilhão de euros.

- O que tem essa grana?

- Ela tinha vários destinos, seria repartida entre vários personagens. Mas, o Dometien estava querendo passar a perna em todo mundo. 

- E como ele conseguiria isso? - perguntou Pablo.

- Para cada um ele prometia alguma coisa. Para a Sueli, por exemplo, prometeu financiar a campanha dela à Presidência da República, inclusive financiando uma enorme bancada também.

- Com essa grana, eles poderiam comprar e eleger todo o Congresso Nacional - disse Rômulo.

- Pois é, o Dometien espertamente dourava a pílula de acordo com as ambições de cada um. Parte dessa grana também financiaria a campanha dele à Presidência da França. Como toda a engenharia financeira foi elaborada e estava nas mãos dele, na verdade ele era o dono da grana. Ele é quem faria o dinheiro chegar às mãos dos envolvidos.

- O cara soube manobrar todo mundo ... - pensou alto Pablo.

- E a Mércia? O que ela ganharia?

- Ele prometeu resgatar a credibilidade dela, que ficou manchada depois de ser desmentida pela ONU, sobre uma matéria em que ela mentiu descaradamente. Quando fosse eleito presidente da França, prometeu nomeá-la sua assessora de imprensa e a ghost writer da sua biografia.

- Rapaz, que história doida ... É como me disseram os caras do Café & Conversa, está tudo lá na sordidez humana, toda a motivação. Grana e poder. Lembrei da última cena do filme "Advogado do Diabo", quando o próprio diz: "Vaidade, meu pecado predileto". 

- Pelos últimos acontecimentos, dá para deduzir que o plano dele falhou - disse Pablo.

- Miseravelmente ... - completou Rômulo.

- Agora está claro que armaram para ele com a camareira. Isso tirou ele do banco e da jogada com os caças. Além disso, acabou com as pretensões políticas dele - disse Pablo.

- E o presidente da França escolheu outro da confiança dele para presidir o tal banco de fomento. Com isso, manteve a posse da grana, limpou a área política e, quem sabe, garantiu a própria reeleição - deduziu Rômulo.

- E o nosso presidente? - perguntou Pablo.

- O babaca quase arruinou tudo quando estava bêbado e fez aquela declaração desastrosa, inclusive cometendo crime de prevaricação. Mas, ele vai conseguir eleger seu sucessor e manter alguns cargos-chave para garantir que tudo saia do jeito que estava combinado - disse Alexandre.

- E nós, os contribuintes, somos uns otários mesmo ... - revoltou-se Rômulo.

- Mas, podemos fazer um estrago também - disse Alexandre, deixando todos de orelha em pé. 

- O que precisamos fazer? - perguntaram quase ao mesmo tempo.

- É o seguinte ...
♦♦♦

Estamos nos encaminhando para o final de mais uma eletrizante Blog-Novela. A sua colaboração, seus comentários, suas críticas e sugestões foram decisivas para o processo de criação da trama, dos personagens e tudo o mais. Agradeço de coração a todos que acompanharam e vibraram com "Morte na Esplanada".

E como diz o Romoaldo todas manhãs, de segunda a sexta-feira, em nosso quadro na CBN Recife e, em seguida, aqui no podcast: Um abraço e bom café!

Links dos capítulos já postados. Basta clicar no capítulo desejado:















5 comentários:

AkiNaRoçaÉAssim disse...

Eitha! Eitha! eitha!

'Qualquer semelhança com a realidade não é mera coincidência' e como já disse, quem poderia dizer ao certo quem imita quem - se a realidade à ficção ou o contrário? (rs)

Quero mais é ver o pau comer. Tô pagando, digo, estamos pagando (nós - os contribuintes). (+rs)

Marven de Marvênia.

Márcia Queiroz disse...

Gente, que demais! Esse delegado Alexandre e a equipe deste são o máximo! Só espero, nem que seja no último momento, que Alexandre reencontre Lígia. Eles formam um casal perfeito S2ó espero, nem que seja no último momento, que Alexandre reencontre Lígia. Eles formam um casal perfeito S2

Anônimo disse...

Parou por quê? Não!!! Esse capítulo poderia ter sido mais extenso. Sangue! Drogas e rock´n roll. Foi a Trancoso quem matou SS. Ela é treinada em artes marciais. E foi ela quem se disfarçou em Gaston, o atirador trapalhão. Ou foi ela quem conseguiu o sapo. Essa novela tem que ter continuação.
Não pode acabar assim, sem uma esperança. O delegado pode ser um Harry Potter da história do blog-novela.
Memélia

Anônimo disse...

Mesmo, Ricardo?!
zeniteblog.zip.net

Nora disse...

Muito bom...quer dizer que a vida e a arte andam de mãos dadas...

Pena que vai terminar!!