terça-feira, 20 de abril de 2010

Jamila e as Rosas Paulistanas


A jornalista Jamila Gontijo está se tornando uma colaboradora contumaz do Café & Conversa. Além disso, ela canta jazz e blues maravilhosamente bem. E é uma gata, inteligente e culta, claro : ) Para nós e nossos leitores, é uma sorte poder contar com essa colaboradora.

Jamila ... (suspiro)

Ela esteve em São Paulo e como tinha tempo sobrando, partiu sem medo para conhecer a cidade que assusta os incautos pela sua grandiosidade e fama de moedor de carne humana.

Mas, Jamila não é mulher de se impressionar com essas coisas. Ela fez a megalópole cair de joelhos e mostrar o que tem de mais belo. O que agora ela generosamente divide conosco.

Jamila Gontijo

"Alguma coisa acontece no meu coração,
Que só quando cruza a Ipiranga e a Avenida São João ..."

A letra da música de Caetano Veloso nunca bateu fundo em mim, porque eu não tinha tido a chance de conhecer a capital paulistana. Eram só passagens rápidas, sempre em direção a outro destino. Mas, agora que passei uns dias em São Paulo, entendi o fascínio.

Cruzamento eternizado por Caetano

A cidade é mesmo intensa. Culturalmente, intelectualmente, gastronomicamente... eu fui embora com gosto de quero mais. É claro que o olhar de um visitante é sempre mais poético, e os problemas de uma megalópole como São Paulo ficam menores. Por isso, quando cai num congestionamento, encarei como uma experiência antropológica, enquanto os meus amigos paulistanos ficavam histéricos dentro do carro, reclamando do trânsito nas ruas estreitas da Liberdade (bairro paulistano onde se concentra a colônia japonesa).

São Paulo é centro produtor de cultura

Um dos meus pontos favoritos foi a Avenida Paulista. Caminhar por ali te oferece de tudo: lojas, centros culturais (sem falar no Masp), bancos (aliás, como tem banco em São Paulo! Não é a toa que o estado concentra um terço do PIB), hotéis, cafés, edifícios emblemáticos. E achei incrível passar por uns caras correndo, treinando para alguma maratona em plena avenidona, dividindo espaço com os ônibus, pedestres apressados e prédios suntuosos.

Poesia concretista na agenda de Jamila

Foi lá na Avenida Paulista que descobri um refúgio bucólico lindo: a Casa das Rosas. Um museu que promove atividades de poesia, música e arte. Eu que sou fã de Carlos Drummond, descobri na Casa das Rosas um pouco da história no movimento da poesia concretista paulistana. E lá também tomei um café delicioso, acompanhado de sanduíche e suco de laranja.

São Paulo, café, cultura, poesia, rosas, Jamila ... tudo a ver

Fica aqui a minha dica para quem visitar a cidade.

Um comentário:

Mila G. disse...

Valeu pelos elogios! Mas o melhor da história é Sampa!