quarta-feira, 19 de maio de 2010

A Música do Dia - Tower of Song - Leonard Cohen


Romoaldo de Souza


Nada acontece por acaso. Não. Eu não começaria um post, aqui, no Café & Conversa, citando Paulo Coelho. Não que tenha qualquer coisa contra ele. Da mesma forma como não tenho nada a favor, a não ser a época em que era compositor das músicas de Raul Seixas. Mas aí já é outra história. Era outro Paulo Coelho.

Olhando na internet, a frase "Nada acontece por acaso" em muitas citações, é atribuída ao escritor brasileiro, quando na verdade é bastante usual entre os budistas, antes de recitarem o mantra "Nam myoho rengue kyo". E nada acontece por acaso, vale para o escritor, compositor, poeta e instrumentista, Leonard Cohen.

Depois de sentir-se esgotado, passou um tempo de retiro espiritual, num mosteiro budista, para recarregar as energias. Mas, ao voltar da experiência monástica, descobriu que estava sem dinheiro. Sua agente teria levado perto de US$ 8 milhões da sua conta bancária.

Liso, Leonard Cohen começou a estudar propostas para uma turnê, que resultou no CD e DVD Live in London, de onde tiramos Tower of Song. Na minha opinião, a letra dessa música justifica o que sempre achei de Leonard Cohen, o poeta do pessimismo.

E aí sabendo que a leitora e seguidora do Café & Conversa, Heleny Galati tinha recentemente conhecido a música de Leonard Cohen, encomendei a ela o comentário - abaixo - para Tower of Song.

Cohen, o poeta do pessimismo, em Londres, 2009



Humildade é falta de originalidade. Sempre que ouço a música Tower of Song de Leonard Cohen é essa a idéia que me vem à cabeça.

A capacidade de abordar temas variados como sexo, religião, espiritualidade, poder ou seja, tudo aquilo que nos torna humanos deixa por vez uma sensação de que ele tem acesso a informações privilegiadas sobre a espécie.

A capacidade de transferir a uma letra o sentimento de tempo e de desejo que permanece quando subimos em direção a algum destino que desconhecemos está associada a sua total falta de humildade. Ele sabe que pode.

As lembranças dos acertos e erros, possibilidades perdidas e a forma como gradativamente vamos ficando em nossa companhia, exclusivamente, sem entretanto deixar de sentir e ser.

Leonard habita a Tower of Song, e cada um de nós habita uma torre própria construída, reconstruída e muitas vezes sequer percebida.

Heleny Galati, São Paulo, lua nova de maio de 2010.


Tower of Song

Leonard Cohen
Well my friends are gone and my hair is grey,
I ache in the places where I used to play
And I'm crazy for love but I'm not coming on.
I'm just paying my rent every day in the Tower of Song
I said to Hank Williams "How lonely does it get?"
Hank Williams . . . hasn't answered yet,
But I hear him coughing all night long,
A hundred floors above me in the Tower of Song.
I was born like this, I had no choice.
I was born with the gift of a golden voice,
And twenty-seven angels from the Great Beyond.
They tied me to this table right here in the Tower of Song.
So you can stick your little pins in that voodoo doll;
I'm very sorry, baby, doesn't look like me at all.
I'm standing by the window where the light is strong.
Ah they don't let a woman kill you, not in the Tower of Song.
Now you can say that I've grown bitter
but of this you may be sure:
The rich have got their channels in
the bedrooms of the poor.
And there's a mighty judgement coming,
But I may be wrong;
You see, I hear these funny voices
In the Tower of Song.
I see you standing on the other side,
I don't know how the river got so wide.
I loved you baby, way back when;
And all the bridges are burning that we might have crossed,
But I feel so close to everything that we lost,
We'll never have to lose it again.
Now I bid you farewell, I don't know when I'll be back;
They're moving us tomorrow to that tower down the track,
But you'll be hearing from me baby, long after I'm gone.
I'll be speaking to you sweetly, from a window in the Tower of Song.
Yeah my friends are gone and my hair is grey,
I ache in the places where I used to play,
And I'm crazy for love but I'm not coming on.
I'm just paying my rent every day in the Tower of Song.



Um comentário:

Heleny Galati disse...

O que chamamos pessimismo muitas vezes é apenas a constatação da realidade. Não acha?

Adorei o post, mesmo com Paulo Coelho.

Abraços.